Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gasto de cia c/ TI pode interromper ciclo de alta e se manter em 2009

A crise econômica forçou as empresas brasileiras a uma maior cautela em termos de investimentos em Tecnologia da Informação (TI) em 2009. Dados preliminares compilados pela consultoria IT Data e pelo Instituto Sem Fronteiras, que atua nas áreas de TI, telecomunicações e internet, mostram que o orçamento médio das empresas previsto para 2009 será próximo ao de 2008, de R$ 49 bilhões, interrompendo cinco anos seguidos de crescimento acima de 10%.

Agência Estado |

Segundo as instituições, tradicionalmente as empresas fazem o seu planejamento de investimentos entre os meses de setembro e dezembro. Porém, devido à instabilidade econômica e volatilidade do dólar, os orçamentos começaram a ser montados neste começo de ano. "Como os preços de hardware, software e produtos de telefonia e rede são atrelados ao dólar, o mercado corporativo comprará menos produtos este ano", disse o diretor de Pesquisa do ISF e da IT Data, Ivair Rodrigues.

O ano de 2009 promete ser bem diferente de 2008. A despeito da turbulência econômica que se aprofundou em setembro nos mercados globais, o setor brasileiro de TI e informática cresceu 11% no ano passado, atingindo R$ 60,2 bilhões. De todo o dinheiro movimentado por este mercado em 2008, R$ 49 bilhões foram desembolsados por empresas e R$ 11,2 bilhões por pessoas físicas.

De acordo com a pesquisa, em 2008 a crise não teve impacto no orçamento do mercado corporativo, onde houve um crescimento médio de 10% nos aportes em TI. Projetos envolvendo sistemas de gestão de empresarial (ERP), governança de TI e business Intelligence (BI, que se refere à habilidade das empresas para acessar dados e explorar as informações) foram as prioridades nas empresas.

Os gastos das pessoas físicas com produtos de informática em 2008 - que ficaram 14% maiores na comparação com 2007, totalizando R$ 11,2 bilhões - poderiam crescer 20% se não houvesse a crise econômica, avalia a coordenadora de Pesquisas do Instituto Sem Fronteiras, Márcia Pietrobon.

Contudo, apesar de as vendas no final do ano terem ficado abaixo das expectativas, ainda há muito para crescer, dizem os especialistas. O fechamento das vendas de 2008 mostra que apenas 29% dos domicílios brasileiros possuem um computador pessoal (PC). De acordo com o estudo, o aumento dos preços devido ao dólar está afetando a compra pelas pessoas físicas, mas o interesse por tecnologia se faz presente entre a maior parcela da população.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG