Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gabrielli: alta do petróleo não chegará ao consumidor

A Petrobras afirma que não irá repassar a alta do preço internacional do petróleo aos consumidores brasileiros e que a empresa continua a ter grandes lucros.

Agência Estado |

 

"Nenhum país está imune (à alta). Mas temos um certo grau de vacinação", afirmou o presidente da estatal, Sérgio Gabrielli, que destaca também o papel do etanol (álcool combustível) na manutenção dos preços relativamente estáveis. Em vários países europeus, da Ásia e nos Estados Unidos, o preço da gasolina está sofrendo altas sem precedentes. "Não vamos repassar (ao consumidor) a alta por causa de uma crise que é de curto prazo", afirmou o presidente da estatal brasileira.

Gabrielli, que participa nesta semana do Congresso Mundial de Petróleo, em Madri, insinuou que uma alta dos combustíveis afetaria o ritmo de crescimento da economia brasileira. Como 85% dos lucros da empresa vêm do mercado nacional, uma queda significaria também um impacto para a Petrobras. Portanto, a empresa prefere apostar que a crise não irá durar por muito tempo. "O dinamismo da economia brasileira é muito importante para nós, pois nosso lucro vem do crescimento do Brasil. Portanto, temos de ter cuidado se mudarmos o preço no mercado doméstico", afirmou.

"Estamos em uma situação peculiar em comparação a outras empresas de petróleo. Produzimos 2,3 milhões de barris e vendemos principalmente para nossas próprias refinarias no Brasil", disse Gabrielli. "Não vamos repassar o preço por causa de uma mudança a curto prazo. Mas repassamos para as refinarias e elas pagam os atuais preços do petróleo. Mas não repassamos as flutuações do dia a dia ao mercado brasileiro", disse.

Etanol

Segundo ele, outro fator decisivo no Brasil é o uso de etanol. "O Brasil é o único país do mundo que um motorista pode chegar ao posto e simplesmente escolher o que quer", afirmou Gabrielli. Ele estima que a criação de uma empresa de biocombustíveis pela Petrobras deva ocorrer em breve. "Estamos finalizando os detalhes", disse.

"Existem alguns fatores no mercado brasileiro que nos tornam completamente diferentes", afirmou. Ele ressalta que mais de 50% do combustível usado nos carros no Brasil não é gasolina. "Isso nos faz diferente do resto do mundo e também nos faz acreditar que não precisamos repassar as mudanças de curto prazo para o mercado brasileiro", defendeu. Gabrielli admitiu que o preço do petróleo está "muito alto". Mas acredita que, no longo prazo, um incremento de produção no mundo resolverá o problema.

Greve

Sobre a tentativa de greve na Petrobras na terça-feira, Gabrielli deixou claro que é favorável à demanda dos trabalhadores de ter uma maior participação nos lucros da empresa. "Temos uma política clara de abrir continuamente negociações com os trabalhadores. Tivemos uma pequena tentativa de greve. Mas não é por salários, mas sim para ter participação nos lucros. Isso é bom porque estamos tendo grandes lucros e os trabalhadores devem ter participação sim", concluiu.

Leia mais sobre petróleo - Petrobras - etanol

Leia tudo sobre: etanolpetrobraspetroleo

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG