Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Gabrielli: adesão à oferta sinaliza aprovação a plano

Presidente da Petrobras diz que estatal continuará liderando a recuperação da indústria naval no País

AE |

selo

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse hoje, em discurso na cerimônia de batismo do navio-plataforma P-57, que a adesão de investidores à recente capitalização da empresa, protagonizada pelo governo, sinalizou uma aprovação do mercado à estratégia de crescimento da Petrobras, diante do pré-sal.

"Nosso programa é de crescimento acelerado, o que vai gerar mais renda, mais emprego, mais produção de combustível e capacidade de influenciar outros setores da economia", disse Gabrielli. "O governo ajudou a capitalização, mas os outros acionistas também compraram ações. É o reconhecimento e aceitação do nosso programa de crescimento", disse.

O executivo, que não concedeu entrevista à imprensa, afirmou ainda que a estatal continuará liderando a recuperação da indústria naval no País. "Não serão apenas oito plataformas, vamos construir dezenas nos próximos anos e elas vão precisar de centenas de barcos de apoio, também precisaremos de mais cargueiros para o transporte", afirmou.

Ele lembrou que a estatal tem outras oito plataformas em construção e que a perspectiva é de uma demanda crescente nos próximos anos, respaldada no plano de investimentos de US$ 224 bilhões até 2014 da companhia. O navio-plataforma P-57 irá operar no campo de Jubarte, na porção capixaba da Bacia de Campos, a 80 km da costa do Espírito Santo.

Nacionalização

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que o Brasil tem todas as condições de elevar o nível de nacionalização da construção de plataformas e embarcações para a indústria de petróleo. Durante a cerimônia de batismo do navio-plataforma P-57, em Angra dos Reis, Lula desafiou o presidente da Petrobras a aumentar a média de 75% de nacionalização da produção de plataformas como a batizada hoje.

"Durante muito tempo nos fizeram acreditar que não tínhamos competência para produzir plataformas no Brasil. Tinha que comprar no exterior porque era mais barato", disse o presidente. "Se um dia, Gabrielli, você quiser fazer o desafio de fazer 100% de uma plataforma no Brasil, faça que a gente toca. Você vai ver", acrescentou Lula.

A P-57 foi construída a partir do casco de um navio holandês convertido em um estaleiro de Cingapura. O trabalho de montagem de módulos e de integração em dois estaleiros brasileiros elevou o índice de nacionalização do equipamento para 65%.

Leia tudo sobre: PetrobrasGabielliLulaestatalindústria naval

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG