Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

G-7 promete adotar ações urgentes contra a crise

Os ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais do G-7, grupo de países mais industrializados do mundo, disseram que vão adotar ações urgentes e excepcionais para lidar com o aperto no crédito global e que vão usar todos os instrumentos disponíveis para proteger firmas financeiras importantes para o sistema do colapso. As ações que devem ser adotadas pelo G-7 incluem, segundo comunicado divulgado nesta noite, medidas para evitar a falência de instituições financeiras importantes, descongelar os mercados de crédito, assegurar acesso à liquidez e reativar os mercados hipotecários secundários.

Agência Estado |

Além disso, o G-7 citou "a necessidade urgente para reforma do sistema financeiro". Segue a íntegra do comunicado oficial do G-7:

"O G-7 concordou hoje que a atual situação pede ação urgente e excepcional. Nos comprometemos a continuar trabalhando juntos para estabilizar os mercados financeiros e restaurar o fluxo de crédito para dar suporte ao crescimento econômico global. Concordamos em:

1. Adotar ação decisiva e usar todos os instrumentos disponíveis para dar suporte a instituições financeiras importantes ao sistema e evitar sua falência.
2. Adotar todas as medidas necessárias para descongelar os mercados de crédito e assegurar que os bancos e outras instituições financeiras tenham amplo acesso à liquidez e financiamento.
3. Assegurar que nossos bancos e outras grandes instituições financeiras intermediárias, quando necessário, possam levantar capital de fontes públicas, assim como privadas, em montantes suficientes para restabelecer a confiança e permitir que eles continuem a emprestar para os consumidores domésticos e empresas.
4. Assegurar que nossos respectivos programas nacionais de seguro e garantia de depósitos sejam robustos e consistentes para que nossos depositantes de varejo continuem a ter confiança na segurança de seus depósitos.
5. Adotar ação, quando apropriado, para reiniciar os mercados secundários para ativos hipotecários e outros ativos securitizados. São necessárias a divulgação de avaliação precisa e transparente de ativos e a implementação consistente de padrões contábeis de alta qualidade.

As ações devem ser tomadas de forma a proteger os contribuintes e evitar efeitos potencialmente prejudiciais sobre outros países. Vamos usar os instrumentos de política macroeconômica quando necessário e apropriado. Vamos dar forte suporte ao papel crítico do FMI (Fundo Monetário Internacional) em assistir os países afetados por esta desordem. Vamos acelerar a completa implementação das recomendações do Fórum de Estabilidade Financeira e estamos comprometidos com a necessidade urgente para reforma do sistema financeiro. Vamos fortalecer mais nossa cooperação e trabalhar com outros (países) para executar este plano."

As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG