Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

G7 busca resposta conjunta para a crise e o livre comércio

ROMA - O G7, grupo das sete maiores potências industriais do mundo, temendo um aumento do protecionismo, fará tudo o que puder para combater a recessão e evitar uma distorção no livre comércio, informa um comunicado conjunto que está sendo preparado para divulgação após uma série de conversas neste sábado.

Reuters |

 

O esboço do documento, cuja cópia foi obtida pela Reuters durante reunião de ministros das Finanças em Roma, procura acalmar temores de que os governos, determinados a proteger os empregos e as indústrias nacionais, abandonem compromissos de uma competição justa entre as nações.

Durante a noite, o Congresso norte-americano aprovou um pacote de estímulo à economia no valor de 787 bilhões de dólares, que inclui dezenas de bilhões de dólares para projetos de construção pública. Nessas ações, existe a condição de que sejam utilizados aço norte-americano e outros bens fabricados no país.

O documento informa que estabilizar a economia e os mercados financeiros é fundamental no atual momento, sugerindo que todos têm que trabalhar juntos e usar as opções políticas possíveis para o máximo de efeito coletivo.

"Continuaremos trabalhando juntos para evitar exageros e distorções indesejadas", disse o esboço.

Em encontro que começou na sexta-feira, Alemanha e Grã-Bretanha disseram que há o risco de que o mundo testemunhe uma repetição da espiral de protecionismo vista durante a Grande Depressão de 1929.

"A luta contra o protecionismo nunca foi tão necessária quanto hoje", afirmou à Reuters o ministro das Finanças britânico, Alistair Darling.

"Faremos tudo para assegurar que a história não se repita", acrescentou o ministro alemão, Peer Steinbrueck.

Preocupação crescente

Essas declarações destacam a crescente preocupação sobre o que parece uma contradição entre promessas de livre comércio e medidas que parecem algo diferente na prática, como a cláusula "Buy American" do plano de estímulo de Washington e o auxílio a compras de veículos nacionais na França e na Itália.

Darling afirmou que discutiu a cláusula norte-americana com o novo secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner. "Creio que os Estados Unidos estão muito cientes de suas obrigações para com o mundo", disse.

O esboço do comunicado, entretanto, não salientou a libra esterlina e o iene, fazendo referências apenas genéricas à excessiva volatilidade das moedas.

O encontro do G7, que envolve ministros e autoridades dos bancos centrais de Estados Unidos, Japão, Alemanha, Grã-Bretanha, França, Itália e Canadá, é uma prévia da uma reunião, em abril, do G20, que inclui também as economias em desenvolvimento.

Leia tudo sobre: g7

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG