Tamanho do texto

SÃO PAULO - O aumento da participação dos países emergentes na economia mundial leva a uma inevitável expansão do poder do G-20, grupo que reúne os países com as 20 economias mais importantes do mundo. A opinião foi dada hoje pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, para quem o G-20 tende a substituir o G-7, que conta com as nações mais desenvolvidas (Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, Canadá, Alemanha e Japão).

A discussão sobre o papel do G-20 foi um dos principais temas das reuniões que antecederam o encontro dos presidentes do grupo, encerrado no último final de semana em Washington (EUA). Antes, em reuniões ocorridas no Brasil, ministros da área econômica e presidentes dos bancos centrais de países emergentes chegaram a defender que o G-20 assumisse o posto ocupado hoje pelo G-7. No entanto, a reivindicação acabou não se transformando em proposta oficial.

O presidente do Banco Central participou hoje do IV Congresso Paulista de Jovens Empreendedores, que ocorre na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

(Murillo Camarotto | Valor Online)