Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fundos perdem para ouro, CDBs e poupança

A baixa remuneração de alguns fundos (seja de renda fixa ou multimercado) tem empurrado os investidores para outras alternativas de aplicações. Nos últimos meses, enquanto a indústria de fundos amargou resgates de quase R$ 15 bilhões, CDBs, ouro e até a caderneta de poupança registraram altas expressivas.

Agência Estado |

Segundo especialistas, alguns investidores estão fugindo das taxas de administração cobradas dos fundos, que têm corroído a remuneração baseada na Selic, hoje em 12,25% ao ano. Outros têm preferido resgatar os recursos de fundos multimercados, considerados mais arriscados, para escapar da turbulência do mercado financeiro.

Junta-se a isso o fato de os bancos terem melhorado a rentabilidade dos CDBs para captar recursos no mercado e emprestar aos consumidores. Isso atraiu uma onda de investimentos. Segundo dados da Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro (Andima), do início de janeiro até ontem, o estoque de CDBs no mercado havia crescido 40%, de R$ 360 bilhões para R$ 495 bilhões.

A superintendente de Assessoria de Investimentos do Santander, Sinara Polycarpo Figueiredo, confirma que a demanda pelo produto está bastante aquecida. Isso porque, dependendo do valor da aplicação, a rentabilidade pode superar 100% do CDI (a taxa de junho estava em 11,99%), sem cobrança de taxa de administração.

Além disso, diz ela, no CDB não há o chamado come-cota, que é provocado pela cobrança do Imposto de Renda a cada seis meses. No CDB, o IR é descontado no resgate ou no vencimento do título. O administrador de investimentos Fábio Colombo afirma, porém, que esse produto é mais vantajoso para quem tem quantias elevadas para aplicar, pois tem maior poder de barganha para discutir a remuneração.

Grande investidor

O superintendente-executivo de Investimentos do Bradesco, Marcos Villanova, confirma que, de fato, os grandes investidores, como as empresas que fizeram Oferta Pública Inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações, são os que estão fazendo a diferença no mercado de CDBs. "São eles que estão tirando dinheiro dos fundos para aplicar nesses títulos", afirma. Segundo o executivo, em seis meses, a demanda pelo produto cresceu 60% no banco.

Além do CDB, a caderneta de poupança tem conseguido manter captação positiva nos últimos dois meses. Até junho, o saldo havia crescido 40% em relação a igual período de 2007.

Outra aplicação que tem tido aumento expressivo é o ouro, considerado um porto seguro para momentos de turbulência. De acordo com dados da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), de janeiro a maio, o número de contratos negociados teve um salto de 179%, de 50.040 para 139.816.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG