Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fundo bilionário será usado antes de 2009 na Espanha

Madri, 10 out (EFE).- O fundo de 30 bilhões de euros (US$ 40,4 bilhões) aprovado hoje pelo Governo espanhol para a compra de ativos junto aos bancos começará a operar antes do fim do ano, com um crédito extraordinário de 10 bilhões de euros (US$ 13,4 bilhões), e será regulado pelo Parlamento.

EFE |

O Governo também deu hoje sinal verde a um aumento para 100 mil euros (US$ 134,9) da cobertura do fundo de garantia de depósitos bancários e do de garantia de investimentos para os clientes de entidades financeiras, empresas de serviços de investimento e gerentes de fundos.

O fundo para a compra de ativos de máxima qualidade às entidades financeiras tem como objetivo dinamizar a economia ao aumentar o financiamento concedido a empresas e pessoas físicas.

O que o Governo quer é tirar do ativo das entidades créditos bloqueados porque são a muito longo prazo e, em conseqüência, dar margem a eles para atuar, disse o ministro de Economia e Fazenda espanhol, Pedro Solbes.

A partir daí, os bancos têm capacidade para dar crédito às famílias e às empresas e "o lógico" é que vá a eles porque são créditos "mais dinâmicos e com vencimentos menores".

Segundo Solbes, a criação do fundo terá um custo zero para os cidadãos, já que a máxima qualidade dos ativos garante a recuperação do capital investido e inclusive oferece a possibilidade de obter uma rentabilidade adicional.

A criação do fundo para a compra de ativos financeiros de qualidade e o aumento da garantia dos depósitos bancários são as primeiras medidas adotadas pelo Governo espanhol para fazer frente à crise financeira mundial embora, por enquanto, não haja entidades espanholas afetadas.

Por essa razão, as autoridades insistem em seu caráter preventivo.

O presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, que hoje pediu em Paris ao presidente francês, Nicolas Sarkozy, uma reunião urgente dos líderes dos países da Eurozona, é partidário da máxima coordenação internacional para encarar a situação. EFE eco/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG