Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Franquias para quem tem pouco capital

Realizar o sonho de abrir sua própria empresa pode não ser, em termos financeiros, tão difícil quanto se pensa. Atualmente, existem no mercado diversas opções de negócio que demandam investimento realmente baixo.

Agência Estado |

É o caso de algumas franquias. Em uma pesquisa rápida pelo site da Associação Brasileira de Franchising (ABF) é possível encontrar negócios cujo investimento inicial gire em torno de R$ 5 mil.

De acordo com o diretor-executivo da ABF, Ricardo Camargo, essas franquias, que de um modo geral são ligadas às áreas de serviços, línguas, reforço escolar e vendas de produtos de informática, têm crescido num ritmo acelerado nos últimos anos.

Umas das mais famosas entre elas, e a segunda maior franqueadora do País, a rede Kumon (método de ensino adotado como reforço escolar) pretende abrir cerca de 150 unidades somente em 2008, totalizando 1,5 mil unidades.

"Esses negócios têm sido procurados por empreendedores jovens ou profissionais que ganham em média R$ 3 mil como empregados de uma empresa e que buscam, inicialmente, algo parecido no próprio negócio, porém com possibilidades de crescimento maiores", explica Camargo.

Cuidados

Ainda que o valor a ser investido inicialmente esteja bem abaixo da média, as precauções a serem tomadas na hora de escolher uma franquia devem ser as mesmas que seriam adotadas na abertura de um negócio de porte maior.

É o que recomenda a especialista em franchising e sócia da Vecchi & Ancona, Ana Vecchi. Segundo ela, passos como análise do posicionamento da marca, informações com a franqueadora e também com franqueados que já estão em operação são essenciais antes de decidir. "Esses passos são vitais para conhecer a estrutura que o franqueador oferece", diz Ana.

Não se deixar levar pela emoção é outra recomendação da especialista. "Ter a própria empresa muitas vezes é um sonho muito grande, mas é preciso avaliar com calma para não desperdiçar o investimento, que, apesar de baixo, é, muitas vezes, todo o dinheiro que se tem", diz Ana.

"É preciso, antes de tudo, verificar se o empreendedor se enxerga no dia-a-dia daquele negócio."

Longa observação

Somente após cinco anos de experiência no ramo foi que Elisa Honda foi se arriscar a ter um negócio próprio.

Para tanto, investiu na época cerca de R$ 3,5 mil para abrir uma unidade do Kumon (hoje, o custo inicial para montar uma franquia da rede é de R$ 8 mil, com prazo de retorno em até dois anos e faturamento mensal de R$ 5,2 mil para cada 60 alunos).

Ela conta que trabalhou como auxiliar da escola durante por cinco anos antes de abrir sua própria filial, em 2002. Elisa começou com apenas 12 alunos em um imóvel pequeno. De lá pra cá o negócio cresceu e hoje ela possui em torno de 130 alunos.

"O conhecimento que adquiri ao longo dos anos como auxiliar foram fundamentais para o sucesso da unidade", diz. Elisa, que teve retorno do investimento em menos de um ano.

Foco na divulgação

Há quatro meses Alexandre Gomes investiu R$ 3,5 mil na montagem de sua loja virtual, a Alvo Compras. A loja faz parte da franquia Neomerkato, empresa que trabalha com importação e venda direta por meio da internet, e que oferece aos franqueados uma loja virtual com identidade visual e endereço próprios, onde o frenqueado pode lucrar até 15% sobre as vendas.

Gomes diz que a franqueadora cuida de todos os processos burocráticos e logísticos, restando ao franqueado apenas o trabalho de divulgação do site. "Percebemos que a gestão mais profissional do investimento em comunicação é o fator mais relevante nesse negócio", justifica Davi Rezende, executivo da Neomerkato.

Desde o início do negócio, Gomes tem dedicado seu tempo à essa gestão e tem visto o volume de vendas do seu site crescer em média 60% por mês. "Com isso, espero obter todo o investimento inicial e os valores que gasto com divulgação (em torno de R$ 600) devolta em torno de um ano e meio", comemora.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG