Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

França e Japão trabalharão juntos em tecnologia de energia nuclear

Tóquio, 16 jul (EFE).- O primeiro-ministro da França, François Fillon, e o chefe do Governo do Japão, Naoto Kan, assinaram acordos nesta sexta-feira para promover a cooperação em tecnologia para a energia nuclear, especialmente em relação à segurança de reatores.

EFE |

Tóquio, 16 jul (EFE).- O primeiro-ministro da França, François Fillon, e o chefe do Governo do Japão, Naoto Kan, assinaram acordos nesta sexta-feira para promover a cooperação em tecnologia para a energia nuclear, especialmente em relação à segurança de reatores. Fillon, que chegou quinta-feira a Tóquio para uma visita oficial de dois dias, abordou com Kan questões bilaterais, além de tratar a situação econômica global e os desafios para os países industrializados, informou a agência local "Kyodo". "Sabemos que é importante que a indústria da energia nuclear busque uma segurança extrema, de alto nível", disse o primeiro-ministro francês durante entrevista coletiva após o encontro. Kan e Fillon destacaram que seus países poderiam unir frentes perante as tecnologias de energia nuclear de baixo custo para insistir na importância de desenvolver reatores nucleares seguros. Por outra parte, durante seu encontro, o primeiro-ministro francês pediu a Kan para fazer todos os esforços possíveis para que o Japão elimine as barreiras não tarifárias que afetam as importações europeias e ressaltou que isso seria necessário para a eventual assinatura de um Tratado de Livre-Comércio (TLC) com a União Europeia (UE). O Japão expressou à UE em várias ocasiões seu interesse por iniciar as negociações para um TLC, embora o bloco europeu considere prematuro. Antes de sua reunião com o primeiro-ministro japonês, Fillon participou de conferência em Tóquio, na qual ressaltou a força da moeda única europeia apesar da crise na zona do euro. "É certo que estamos enfrentando uma séria crise sem precedentes. Mas não vai chegar ao ponto de supor uma ameaça para a existência do euro", afirmou. EFE mic/fm

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG