Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fórum Mundial: emergentes estão menos suscetíveis

O crescimento econômico dos países emergentes parece menos suscetível à desaceleração nos Estados Unidos, mas ainda há riscos, avalia o Fórum Econômico Mundial, no relatório Global Growth@Risk, divulgado hoje. A entidade afirma que os dois maiores emergentes do mundo, a China e a Índia, têm registrado forte avanço no consumo doméstico, além de melhora da produtividade e diversificação dos parceiros comerciais.

Agência Estado |

O relatório cita a previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI), de que o crescimento seguirá robusto para quase todos os emergentes. A China e a Índia devem registrar aumento de 10% e 8%, respectivamente, do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009. A inflação, que atingiu dois dígitos em diversos países em desenvolvimento ao longo deste ano, tende a recuar em conseqüência da redução do preço das matérias-primas (commodities), avalia o Fórum.

No entanto, mesmo com a retração, os preços dos alimentos e da energia permanecem muito mais elevados do que há um ano e meio. "Como os alimentos respondem por 30% a 40% ou mais da cesta de consumo em muitos países emergentes, contra 15% nas economias do G-7 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo, formado por EUA, Japão, Alemanha, Canadá, Itália, França e Reino Unido), a alta dos preços tem um efeito adverso grande sobre a população de baixa renda e pode permanecer como fonte de risco não só econômico como político."

Apesar de menos dependentes, os emergentes ainda respondem por boa parte das importações dos Estados Unidos. A maior economia do mundo importa cerca de US$ 2 trilhões, sendo que 40% desse valor sai da Ásia, principalmente da China. "Se uma desaceleração significativa ocorrer nos EUA, ou como parece mais provável agora na Europa, alguns setores emergentes serão afetados", afirma o relatório.

Classe média

As mudanças econômicas dos últimos anos fizeram surgir uma "classe média global", cujo poder de compra será responsável pela condução do crescimento mundial, constatou o Fórum, em relatório.

Segundo a entidade, o poder está mudando para as economias que possuem classe média crescente, definida pelas pessoas que ganham entre US$ 6 mil e US$ 30 mil por ano. "Essa classe média global resultará na mudança de dieta e de hábitos de milhões de pessoas, além da procura por melhor moradia e educação, com a adoção de tecnologias e serviços financeiros mais sofisticados", diz o relatório.

Segundo a entidade, muitas dessas populações de classe média estão localizadas em cidades grandes e com rápido processo de expansão. "Elas fazem parte da maior mudança para as áreas urbanas desde a Revolução Industrial (em meados do século 18)", avalia o documento.

Crise

Para o Fórum, a crise de crédito, a perspectiva de menor crescimento nos países desenvolvidos e os riscos gerados pela inflação trazem muita incerteza para a economia global no curto prazo.

Com isso, as mudanças na regulação financeira que virão como conseqüência da crise nos Estados Unidos devem evitar novas pressões sobre o setor bancário, avalia o Fórum Econômico Mundial. Para a entidade, há risco de aumento dos custos e queda de competitividade e inovação para as instituições financeiras.

O Fórum lembra que as baixas contábeis anunciadas pelos bancos já somam US$ 500 bilhões desde o início de 2007. "A extensão da crise de crédito e a persistência da falta de confiança entre os bancos não tem precedentes."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG