Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ford, GM e Chrysler pedem socorro nos EUA

Mostrando humildade, os presidentes da General Motors (GM), Ford e Chrysler pediram ontem ao Congresso americano que lhes ajude com um plano de resgate de US$ 34 bilhões. Alguns congressistas, porém, reagiram com ceticismo ao plano apresentado pelas empresas.

Agência Estado |

Duas semanas depois da última e desastrada visita ao Capitólio, os executivos foram à capital americana de carro, e não em jatinhos corporativos, para pedir dinheiro ao comitê bancário do Senado. Quando foram a Washington em seus aviões, os executivos pediram US$ 25 bilhões. Agora, chegando em carros híbridos, aumentaram em US$ 9 bilhões o pedido de ajuda.

"Cometemos erros, e estamos aprendendo com eles", disse o presidente da GM, Rick Wagoner. O presidente da Ford, Alan Mulally, admitiu que a companhia também cometeu erros. Frisou que houve uma época em que o lema da empresa era "basta fabricar carros, que os clientes compram". "Dessa maneira, fabricamos mais veículos do que desejavam nossos clientes." Mas, como resultado desse erro, segundo o executivo, "agora estamos realmente empenhados nas tarefas necessárias para reerguer a indústria."

Robert Nardelli, diretor-geral da Chrysler, prometeu saldar dívidas anteriores e pagar o novo empréstimo até 2012. Também prometeu se dedicar a fabricar veículos que "gastem menos gasolina e que o povo possa comprar."
Os presidentes da Chrysler e da GM afirmaram que estariam abertos até a uma fusão entre as duas empresas como parte de um pacote de ajuda do governo. Wagoner e Nardelli fizeram a afirmação ao responder uma pergunta do senador republicano Robert Bennett, que sugeriu que uma fusão poderia gerar economias de bilhões de dólares.

O senador republicano Richard Shelby queixou-se de que o plano de resgate aumenta a cada vez que os executivos retornam à Washington. E o presidente do comitê bancário do Senado, o democrata Chris Dodd, que apóia uma ajuda às montadoras, admitiu que as propostas dos executivos deixam muitas perguntas sem resposta.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG