Tamanho do texto

SÃO PAULO - O valor real da folha de pagamentos dos trabalhadores da indústria do país diminuiu 2,7% em novembro, em relação a outubro do ano passado. Os dados, sem efeito sazonal, são da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Este é o segundo resultado negativo consecutivo, acumulando queda de 3,1% desde outubro, quando a retração foi de 0,2% em relação ao mês anterior. Em relação a novembro de 2007, o resultado, no entanto, foi positivo, com alta de 4,1%. No acumulado do ano e nos últimos 12 meses, o aumento do valor da folha de pagamentos foi de 6,3%.

Em novembro de 2008, na comparação com o mesmo período do ano anterior, foram registrados aumentos salariais em 13 dos 14 locais pesquisados. A principal contribuição veio de São Paulo, com alta de 4% nos salários, de Minas Gerais (10,6%) e do Paraná (5,1%). A exceção à alta ocorreu na Bahia, onde houve um recuo de 0,8% no valor da folha de pagamentos.

Na divisão por setores, foi registrado um aumento dos salários em 12 dos 18 segmentos pesquisados. Os destaques positivos ficaram por conta dos produtos de metal (13,5%), dos minerais não-metálicos (19,6%) , da metalurgia básica (14,0%) e dos meios de transporte (4,0%). Já os calçados de couro (-6,9%), e outros produtos da indústria de transformação (-3,8%) apresentaram a maior queda.

A pesquisa mostrou também que, em novembro, o setor industrial reduziu em 1,7% o número de horas pagas, na comparação com o mês imediatamente anterior, já descontados os fatores sazonais. "Foi a maior queda em toda a série histórica iniciada em janeiro de 2001", afirmou a instituição em nota. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve um recuo de 0,4%. Já no acumulado do ano e nos últimos 12 meses o número de horas pagas cresceu 2,3%.

(Vanessa Dezem | Valor Online)
----------------------------------------------------------------------------------