Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

FMI diz que plano de resgate demorará a dar resultados nos EUA

Washington, 8 out (EFE) - O multimilionário pacote de resgate aprovado pelo Governo dos Estados Unidos ajudará a estabilizar os mercados do país, mas, antes que isso ocorra, se passará um tempo considerável, disse hoje o Fundo Monetário Internacional (FMI). Será necessário um tempo considerável antes que as perdas (dos bancos) sejam plenamente conhecidas, que os bancos se recapitalizem, que a alavancagem diminua e os mercados recuperem a confiança, afirma o FMI em seu relatório semestral Perspectivas Econômicas Mundiais, divulgado hoje. O Congresso americano aprovou na sexta-feira passada um plano de resgate do setor financeiro que permitirá ao Governo adquirir ativos não líquidos nos balanços dos bancos por um total de até US$ 700 bilhões. O Fundo destaca que a eficácia dessa e de outras medidas adotadas pelos reguladores americanos para estabilizar os mercados serão fundamentais para as perspectivas econômicas a curto prazo dos EUA. O estudo destaca que parece cada vez mais provável que o país entre em recessão. Além disso, o organismo prevê um crescimento de apenas 0,1% para este ano nos EUA, abaixo do 0,8% estimado em julho. A previsão de expansão para este ano é de 1,6%, ligeiramente acima do 1,3% calculado em julho. O relatório destaca que a piora do crédito já tem um impacto visível na concessão de novos empréstimos e prevê que o acesso ao crédito continuará sendo difícil ao longo do próximo ano. O impacto será provavelmente...

EFE |

), mas nas atuais condições nos mercados financeiros é provável que as empresas também sejam afetadas de forma negativa, apesar de seus sólidos balanços e de suas ainda saudáveis margens de lucro", afirma o estudo.

O FMI destaca também que a queda dos preços dos imóveis de entre 5% e 17% durante o último ano, dependendo do índice usado, "não tem precedentes desde a Grande Depressão".

A crise que afeta o mercado imobiliário é "uma correção necessária após um período de excessos", diz o Fundo, que insiste em que "há alguns sinais provisórios de estabilização", como os números recentes de vendas de imóveis.

O órgão afirma que, por outro lado, o núcleo da inflação continuará contido, devido à queda nos preços do petróleo, à moderação nos salários e ao aumento da produtividade.

Segundo os economistas do Fundo, os EUA retomarão seu crescimento potencial em 2010. EFE tb/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG