O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, destacou nesta terça-feira a resistência dos mercados emergentes. Mas alertou para os riscos de que os créditos podem secar, afetando a capacidade dessas economias em continuar crescendo de forma acelerada.

Strauss-Kahn elogiou em um artigo publicado no Financial Times a situação dos mercados emergentes. "Algumas economias emergentes construíram fortes reservas, com baixa dívida e políticas monetárias confiáveis", disse. Mas admite que há quem diga que essas economias ficarão "sem rodas quando os créditos secarem e o preço das commodities caírem".

"Não podemos colocar todos os países emergentes no mesmo saco e nem tratá-los como um bloco. Alguns sairão fortalecidos pela queda nos preços de commodities e demanda menor", afirmou, se referindo aos países importadores de alimentos e outras matérias-primas. Já os demais, entre eles o Brasil, baseariam sua resistência em suas reservas e políticas responsáveis.

O FMI apela para que os países ricos sigam os passos americanos e criem planos de contingências para contar a crise internacional. A OCDE também saiu em defesa do pacote americano e, em um comunicado, elogiou a decisão de Washington. As declarações foram consideradas pelo mercado como um esforço de se mostrar que o plano americano teria respaldo das instituições multilaterais, ainda que esteja sendo atacado por governos. No próximo mês, ministros de finanças e presidentes de bancos centrais se reunirão em Washington e o diretor-gerente do FMI já alertou que quer levantar a questão da cooperação internacional durante o evento.

Leia mais sobre FMI

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.