Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

FMI aponta piora nas perspectivas econômicas mundiais

SÃO PAULO - O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende o estímulo econômico em vista de uma desaceleração mais acentuada do que a esperada na economia global por causa da recente turbulência financeira. A atividade global está abrandando rapidamente, observou o organismo em relatório atualizado sobre a Perspectiva Econômica Mundial.

Valor Online |

"Os prognósticos para o crescimento global deterioraram-se no mês passado, uma vez que prosseguiu a desalavancagem do setor financeiro e diminuiu a confiança do consumidor e do produtor", destacou o Fundo. Para 2009, a previsão é de que a economia mundial tenha expansão de 2,2%, ou 0,8 ponto percentual abaixo da estimativa feita em outubro para o período. Neste ano, a expectativa é de crescimento de 3,7%, ou 0,2 ponto a menos do que o calculado antes.

Para os Estados Unidos, o FMI prevê contração de 0,7% na economia em 2009, uma diferença de 0,8 ponto percentual perante a projeção apresentada no mês passado. Neste ano, o país deve crescer 1,4%, ou 0,1 ponto abaixo da taxa projetada antes.

O Brasil deve ter expansão de 3% no próximo calendário, um ajuste de 0,5 ponto para baixo. Em 2008, o crescimento previsto seguiu em 5,2%. A economia chinesa deve aumentar 8,5% em 2009, depois de avançar 9,7% este ano. Os percentuais caíram em 0,8 ponto e 0,1 ponto, respectivamente.

Na zona do euro, o FMI estima recuo de 0,5% no exercício seguinte. Em 2008, deve haver crescimento de 1,2%. As previsões foram diminuídas em 0,7 ponto e 0,1 ponto, na ordem.

Pela análise do Fundo, a ação global para apoiar os mercados financeiros e oferecer mais estímulo fiscal e relaxamento monetário pode ajudar na perda de dinamismo econômico.

No fim de semana, ministros das Finanças estarão em São Paulo para discutir temas relacionados com a crise financeira. O encontro antecede aquele marcado para 15 de novembro em Washington, em que líderes mundiais debaterão o mesmo assunto.

Leia mais sobre FMI

Leia tudo sobre: fmi

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG