WASHINGTON - O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, advertiu neste domingo sobre os efeitos da crise financeira nos mercados emergentes, onde os sinais de tensão aumentaram, especialmente no leste europeu.

Em discurso perante um órgão conjunto do FMI e do Banco Mundial, Strauss-Kahn alertou que a aversão ao risco e a escassez de crédito forçaram fundos mútuos, de pensões e de risco a retirar seu capital de países em desenvolvimento.

Segundo ele, os sistemas bancários dos países emergentes suportaram bem até agora a crise, mas serão afetados pela saída de capital estrangeiro, provocada pelo agravamento da instabilidade financeira nas últimas semanas.

"Os sinais de tensão aumentam", alertou Strauss-Kahn, que disse ainda que os sistemas bancários mais frágeis são os que dependem em maior medida de financiamento externo.

Strauss-Kahn disse que a combinação de redução do crédito em nível mundial, alta das taxas de juros em alguns países em desenvolvimento e arrefecimento global pode estender as quebras aos mercados emergentes.

Turbulência nos mercados:

  • Entenda a disparada do dólar e seus efeitos
  • Entenda o sobe-e-desce da bolsa no Brasil
  • Veja como a crise econômica já afetou o Brasil
  • Veja a cronologia da crise nos mercados financeiros
  • Entenda o que é um banco de investimentos
  • Veja os principais pontos do plano de socorro financeiro
  • Confira argumentos pró e contra o plano de resgate

    José Paulo Kupfer responde:

    Acompanhe a cobertura completa em Economia

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.