Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fitch tira grau de investimento da Aracruz; VCP está ameaçada

SÃO PAULO - Poucos dias após revelar perdas não realizadas de quase R$ 2 bilhões no mercado financeiro, a fabricante de celulose Aracruz teve hoje a sua avaliação de risco rebaixada em dois degraus pela agência de classificação Fitch Ratings, o que levou a companhia a perder o status de grau de investimento pelo seu critério. De acordo com relatório divulgado pela Fitch, a nota da empresa para emissões em moeda local e estrangeira caiu de BBB para BB+.

Valor Online |

Como a Votorantim Celulose e Papel (VCP) adiou, mas ainda mantém entendimentos para adquirir o controle acionário da Aracruz, ela teve sua nota de avaliação posta em perspectiva negativa pela Fitch, o que sinaliza que também poderá cair de patamar. No entanto, a empresa controlada pela família Ermírio de Moraes segue dentro do grupo grau de investimento, com nota "BBB-".

Segundo a Fitch, o rebaixamento da Aracruz segue justamente os anúncios sobre as perdas com derivativos, visto que a posição divulgada expõe a companhia à maior volatilidade do mercado e a perdas potenciais maiores no caso de o real continuar perdendo valor em relação ao dólar. "O rebaixamento dos ratings da Aracruz reflete a expectativa de que a alavancagem da empresa aumentará substancialmente em função de suas ações para limitar ou eliminar sua exposição em derivativos e ainda pelo fato de que alguns projetos-chave de expansão das atividades poderão ser postergados", diz o relatório da agência.

Embora ainda não tenha ocorrido, a perda do grau de investimento da VCP tem grandes chances de acontecer caso a empresa concretize a já anunciada aquisição da Aracruz. De acordo com a Fitch, a finalização do negócio poderá levar a nota de risco da VCP para "BB+" ou até menos que isso.

Ainda segundo a agência, a empresa resultante da união entre VCP e Aracruz teria uma relação entre dívida e Ebitda (lucro operacional) próxima de três vezes, podendo ser reduzida para 2,5 vezes em 2009, com a entrada em operação da unidade de Três Lagoas (MS). Mesmo assim, o reconhecimento efetivo das perdas da Aracruz irá gerar um endividamento adicional que justifica o rebaixamento das notas, na avaliação da Fitch.

(Murillo Camarotto | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG