Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fitch: economia britânica tem forte exposição à crise

A agência de classificação de risco Fitch acredita que a economia britânica é uma das mais expostas, entre as nações industrializadas avançadas, ao impacto da crise global de crédito e a uma provável recessão dos Estados Unidos. Apesar do aumento da inflação, esperamos que a próxima mudança nos juros britânicos seja para baixo, à medida que a economia desacelera fortemente, disse Brian Coulton, diretor-gerente do grupo.

Agência Estado |

No relatório especial trimestral Perspectiva Econômica Global, divulgado hoje, a Fitch mostra que está pessimista sobre a perspectiva econômica para as maiores economias mundiais, apesar de o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) ter se mostrado melhor que o esperado até o momento este ano. "Condições mais apertadas de crédito, menor gasto do consumidor e fraca demanda externa irão reduzir o crescimento do PIB britânico para 1,1% no próximo ano, facilmente o mais fraco desde 1992", completou Coulton.

A taxa básica de juros na Inglaterra, definida pelo Banco Central inglês (BoE), está em 5% ao ano. No último relatório trimestral sobre a inflação, divulgado em maio, o BC inglês indicou a possibilidade de realizar um corte no juro de 0,25 ponto porcentual no terceiro trimestre deste ano e outro corte para 4,5% ao ano já no começo de 2009.

EUA

A economia dos EUA parece ter evitado a recessão no primeiro semestre de 2008, mas a Fitch ainda vê este risco como uma perspectiva provável este ano, ainda segundo o relatório.

A agência de classificação de risco destaca que forças negativas substanciais que pesam sobre os gastos do consumidor se tornaram mais pronunciadas nos últimos três meses e, com o mercado de trabalho fraco, a redução de despesas do consumidor deve tomar o lugar do setor imobiliário como o principal obstáculo ao crescimento nos próximos 18 meses.

A Fitch pondera que "o afrouxamento da política fiscal e as exportações relativamente robustas dos EUA, refletindo a demanda do mercado emergente e o dólar fraco, significam que a desaceleração é menos severa do que no começo dos anos 1990". Porém, a Fitch espera que "o crescimento abaixo da tendência se prolongue até 2010". As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG