Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fipe revê previsão para IPC no mês com desaceleração de alimentos

São Paulo, 25 - O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), Antonio Evaldo Comune, informou hoje que foi reduzida, de 0,51% para 0,47%, a previsão de inflação para a capital paulista no encerramento de novembro. De acordo com ele, o indicador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) deverá mostrar desaceleração por causa justamente de uma estimativa de taxas menores para os dois grupos que mais puxaram a inflação para cima durante o mês: a Alimentação e a Habitação.

Agência Estado |

Na pesquisa divulgada hoje pela Fipe sobre a terceira quadrissemana de novembro (últimos 30 dias encerrados em 22 de novembro), o IPC mostrou alta de 0,54%, que já foi inferior à de 0,58% verificada na segunda quadrissemana (30 dias terminados em 15 de novembro). Conforme apurou o instituto, a alta do grupo Alimentação passou de 0,70% para 0,82%, enquanto a variação do grupo Habitação passou de 0,69% para 0,57%. Coincidentemente, o impacto de ambos os segmentos na composição da inflação foi o mesmo: 0,19 ponto porcentual (34,61%) da taxa geral.

Para Comune, a Habitação permanecerá refletindo o impacto menor do reajuste de 5,10% da tarifa de água e esgoto que foi realizado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) em setembro - na divulgação de hoje, o item Água e Esgoto subiu 2,21% ante 3,29% da pesquisa anterior. Quanto à Alimentação, ele disse que o grupo continuará absorvendo a influência, agora benéfica, de itens de grande peso no bolso do consumidor: o feijão, o arroz e a carne bovina.

Na terceira quadrissemana, apesar de a Alimentação mostrar uma aceleração ante a pesquisa imediatamente anterior, por causa de altas maiores nos subgrupos de Industrializados (de 0,68% ante queda de 0,07%) e de Produtos In Natura (de 1,29% ante avanço de 0,98%), o grupo contou com um fator de alívio vindo do subgrupo Semi-elaborados, cuja elevação passou de 1,49% para 0,74%. Os destaques deste segmento ficaram justamente por conta das altas menores da carne bovina (de 4,14% para 3,35%) e do arroz (de 1,89% para 1,42%) e também por conta da queda expressiva de 12,86% no valor médio do feijão - na pesquisa anterior, o recuo havia sido de 6,92%.

"Acreditamos que, por causa do peso destes itens, o grupo Alimentação entrará em processo de desaceleração", comentou Comune, em entrevista coletiva concedida à imprensa. "Aguardamos, com isso, uma alta de 0,66% para o grupo no final do mês, que é menor que a prevista anteriormente, de 0,83%", disse, acrescentando que manteve a expectativa de variação de 0,47% para o grupo Habitação.

Projeção

Se confirmada a estimativa do coordenador para a taxa geral de inflação no município, o resultado de novembro ficará abaixo do verificado em outubro, quando o IPC atingiu a marca de 0,50%. Repetirá também, desta maneira, a mesma taxa de novembro de 2007, de 0,47%.

Para o final de 2008, Comune preferiu novamente não modificar a projeção oficial da Fipe. O coordenador continua aguardando que o IPC encerre o ano com uma taxa acumulada de 6,50%.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG