Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Financeira da GM pode virar banco para receber ajuda estatal

Washington, 30 out (EFE).- O braço financeiro da General Motors (GM), Gmac, confirmou hoje que está negociando com as autoridades federais dos Estados Unidos para se transformar em banco, o que lhe permitiria recorrer ao plano de resgate do Governo.

EFE |

O Gmac -controlado em 51% de suas ações pelo fundo de investimentos Cerberus e nos 49% restantes pela GM- disse que "como companhia bancária, obteria maior flexibilidade e estabilidade para cumprir sua função central".

Álvaro de Molina, executivo-chefe do Gmac, disse que: "os benefícios deste tipo de reestruturação nos permitiriam imediatamente trabalhar capital adicional e recursos de liquidez para financiar consumidores e concessionários de automóveis".

O Gmac proporciona empréstimos a consumidores e empresas para a compra de automóveis, assim como para hipotecas.

A empresa acrescentou que também confia em "ter mais oportunidades de financiamento e acesso a capital como instituição bancária".

A modificação da situação do Gmac obrigará a empresa a aumentar tanto o capital sob seu controle como o dinheiro que mantém "para cumprir os requisitos regulatórios".

O Gmac disse que tem a intenção de "iniciar uma oferta privada para mudar quantidade significante de sua dívida pendente por uma reduzida de nova dívida".

Em 31 de dezembro de 2007, o Gmac contava com US$ 248 bilhões em ativos e 15 milhões de clientes no continente americano, na Europa e na região da Ásia e Pacífico.

Na terça-feira, o Gmac disse que, a partir de 1º de novembro, deixará de conceder novos empréstimos em sete países europeus incluindo Espanha e Portugal.

Gmac disse que a decisão "é parte de uma colocação estratégica para conduzir os recursos durante este tempo de transtornos dos mercados de capitais e de crédito".

A financeira também informou que "implementará uma política de preços mais conservadora em seus mercados europeus para alinhar a atividade de empréstimos com os atuais mercados de capitais".

crd/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG