Empresários projetam faturar R$ 4,6 milhões com delivery de supermercado

Por David Frare - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Startup criada por português e americano promete comodidade para os consumidores com entrega das compras do supermercado em até duas horas na porta de casa

Fazer as compras no supermercado e entregar na sua casa em duas horas. Essa é a proposta de Ricardo Prelhaz, português, e David Grant Russell, americano. Inspirados na startup americana Instacart, os amigos fundaram, em agosto deste ano, a Carrinho em Casa.

A ideia surgiu em 2014, quando Prelhaz e Russell cursavam Administração e Finanças na Nova School of Business and Economics em Lisboa. Eles desenvolveram a proposta, formataram o modelo de negócios e, em dezembro de 2014, escolheram o Brasil para empreender.

Ricardo Prelhaz, 26, e David Grant Russell, 28, fundadores da Carrinho em Casa, esperam atender 600 clientes esse ano e alcançar R$ 120 mil de faturamento
Divulgação
Ricardo Prelhaz, 26, e David Grant Russell, 28, fundadores da Carrinho em Casa, esperam atender 600 clientes esse ano e alcançar R$ 120 mil de faturamento

A plataforma permite que o usuário cadastre seu endereço e escolha entre as lojas dos supermercados de sua preferência. Todas as informações dos artigos vendidos são importadas diretamente dos sites dos estabelecimentos. Efetuada a compra, os 'shoppers' são acionados pela Carrinho em Casa. Eles são profissionais responsáveis pela compra e entrega dos produtos, que são deixados diretamente na casa do consumidor ou na portaria dos prédios. A entrega pode ser feita em um horário agendado ou em duas horas após a compra no site. Os shoppers são prestadores de serviço que podem montar sua carga horária de trabalho de maneira flexível.

A taxa cobrada pela empresa é de 10% a 15% sob o valor de cada produto comprado, já que os preços das lojas físicas são diferentes da online dos próprios supermercados. A variação existe também porque cada supermercado tem o seu preço dependendo da unidade. Além disso, é cobrado um valor de entrega de R$ 9,90.

Ricardo afirma que a escolha do Brasil foi feita devido ao pouco investimento que essa área tem aqui.

“Segundo a Associação Brasileira de Supermercados, a indústria supermercadista no Brasil vale aproximadamente R$ 300 bilhões e São Paulo responde por cerca de R$ 18 bilhões. Porém, menos de 1% das compras são feitas online, com uma tendência de crescimento de 20% a 30% ao ano”, afirma o sócio-fundador.

A Carrinho em Casa atende clientes apenas em São Paulo, em bairros da Zona Oeste (Jardim Paulista, Pinheiros, Jardim Europa, Itaim Bibi e Vila Madalena), Sul (Vila Olímpia, Moema, Vila Nova Conceição, Vila Mariana e Paraíso) e Centro (Bela Vista, Consolação, Higienópolis, Aclimação e Santa Cecilia). O objetivo é expandir para outros bairros da capital e mais quatro cidades. “Rio de Janeiro, Curitiba, Brasília e Belo Horizonte estão no nosso radar para a expansão”, afirma Ricardo.

Neste ano, os empreendedores planejam atender 600 clientes e chegar a R$ 120 mil de faturamento. Para 2016, a expectativa é muito mais otimista e a empresa pretende atingir a marca de 42 mil pessoas atendidas e faturar R$ 4,6 milhões. Aumentar a equipe de 4 para 30 funcionários e ampliar a rede de shoppers também está nos planos da dupla de empresários.

>> MAIS: Veja 18 passos para se tornar um empreendedor de sucesso

Avalie se a ideia representa um modelo de negócios: Existe um mercado potencial? É preciso entender antes de tudo a lógica que permeia o negócio. Nem sempre as melhores ideias irão se transformar em um negócio viável. Pesquise, modele, repense. Só assim você chegará ao formato adequado para começar a dar vida ao seu sonho. . Foto: Marcos Santos/USP ImagensNão seja mais um na multidão: Se a oportunidade é realmente válida, é hora de encontrar uma boa diferenciação.  Por mais inovadora que sua ideia seja, a partir do momento que você entrar no mercado outras empresas com o mesmo perfil surgirão. E nessa hora vale lembrar que sobrevive quem sabe se fazer presente e trazer constantes novidades para o mercado. . Foto: Thinkstock PhotosModele seu negócio: Tenha um plano de negócios, um canvas ou um mapa estratégico. Qualquer coisa que lhe ajude a validar sua ideia passando por pilares importantes e vitais para a empresa existir. . Foto: Thinkstock/Getty ImagesTime to market: Do momento em que percebeu a oportunidade até o primeiro dia de funcionamento da sua empresa, o problema ainda existirá? O tempo é crucial quando o assunto é criar e desenvolver um novo negócio. Se você demorar demais, outro empreendedor poderá ter avançado no mesmo segmento. Se você, contudo, atropelar as etapas básicas de planejamento e implementação, seu projeto irá naufragar. . Foto: scxFaça o que gosta: Invista em um negócio relacionado a algo que te emprega prazer.Empresas que nascem somente para ganhar gerar lucro tem menos chance de sobreviver. Se você tem um propósito, será mais fácil de engajar pessoas, transmitir seus diferenciais para os clientes e manter a operação integrada. . Foto: ThinkstockAnalise suas capacidades e deficiências: Ninguém é bom em tudo. Saber onde você precisa de ajuda é imprescindível para buscar os colaboradores - ou sócios - que embarcarão com você nesta empreitada. Vale a máxima: se eu não sei, eu sei quem sabe! Relacionamento elimina distância e reduz o tempo, melhora o resultado e ajuda a planejar a longo prazo.. Foto: ThinkstockCerque-se de mentores ou conselheiros: Ser empreendedor é muito solitário. Tenha conselheiros que possam ajudá-lo no processo de empreender. Pessoas que não estão no dia a dia da empresa podem indicar boas saídas e ajudar na tomada de decisão. . Foto: ThinkstockDesenvolva pessoas: Um time competente, capacitado e engajado é imbatível. E tem baixíssima rotatividade.. Foto: ThinkstockComece pequeno:  Você não vai acertar de primeira. Comece pequeno para ser mais fácil corrigir os erros. É mais fácil consertar uma prancha de surf que um navio! Depois será mais fácil e seguro crescer. Foto: Thinkstock/Getty ImagesMeça tudo: O que não pode ser medido, não pode ser melhorado. Defina indicadores relevantes para a sua operação e acompanhe-os de perto.. Foto: Thinkstock/Getty ImagesRespeite o ciclo do negócio: Cada segmento e cada empresa tem uma velocidade. Se acelerar ou reduzir mais do que ele permite, você quebra.  A exemplo disso, da abertura da loja até a conquista de uma clientela fiel existe um ritmo a ser respeitado e ele depende de fatores como localização, concorrentes, perfil do público, tipo de produto comercializado etc. Um início “fraco” não é motivo para abrir mão do seu plano de negócios.. Foto: Thinkstock/Getty ImagesJamais entre num mercado em declínio: Busque oportunidades de negócios que ainda estão em crescimento. Geralmente possuem mais clientes e menos concorrentes. Os mercados consolidados têm uma concorrência acirrada e predatória. Os em declínio não têm clientes. Uma nova operadora de telefonia celular não é das melhores opções, assim como uma empresa especializada em manutenção de máquinas de escrever.. Foto: Thinkstock/Getty ImagesBusque escalabilidade: Cuidado com negócios que dependam muito de você. Este tipo de negócio tem seu crescimento limitado a capacidade de atendimento do dono, como um sapateiro, um arquiteto, dentista ou advogado. Pense, desde o começo, como sua empresa crescerá para atender muitos clientes com o mesmo cuidado, atenção e competência que você atenderia;. Foto: Thinkstock PhotosEvite buscar capital financeiro em bancos: Para tirar a ideia do papel, é preciso ter recursos. O ideal é não precisar recorrer a recursos de terceiros, mas se não houver saída o ideal é tentar obter o capital necessário com amigos e/ou familiares – mas tenha em mente que é preciso firmar um acordo de prazos e valores a serem devolvidos mesmo com pessoas próximas.  Uma outra opção, dependendo do perfil do negócio, é encontrar um investidor anjo. O empréstimo bancário deve ser feito apenas em último caso devido aos altos juros.. Foto: Getty ImagesTenha uma reserva para se manter inicialmente: Além do negócio em si, você também tem contas pessoais a pagar. É preciso ter uma reserva financeira para que você possa se manter no momento inicial do negócio, quando a empresa ainda não gerar receita suficiente para garantir uma retirada sufuciente para sua subsistência.. Foto: Agencia Brasil/reproduçãoDivulgue seu negócio: O marketing é uma poderosa ferramenta para que a sua marca se consolide e, consequentemente, conquiste melhores oportunidades comerciais. Por isso, jamais considere a divulgação do seu negócio como um investimento secundário , que pode ficar para o futuro.. Foto: Redação EconomiaBusque conhecimento sempre: Não importa se está no início do negócio ou já atuando em uma empresa própria. O mercado evoluí, e você não pode ficar para trás. O modelo de negócios inovador de hoje, amanhã já estará batida. Cursos preparatórios entregam uma série de conhecimentos e promovem o networking. Há também boas opções de aulas gratuitas que podem ser feitas online para quem deseja se preparar e também se reciclar.. Foto: Thinkstock/Getty ImagesTenha cicatrizes: Aceite, você não acertará tudo de primeira. Da ideia à empresa o mercado mudou, as pessoas mudaram, você mudou. Cicatrizes são essenciais para o crescimento de  uma empresa. Não precisa sofrer uma fratura, mas um arranhão, um corte ou uma marca roxa podem ajudar muito no seu desenvolvimento como empreendedor e trazer contribuições valiosas ao sucesso do seu negócio.. Foto: Thinkstock/Getty Images


Leia tudo sobre: EmpreendedorCarrinho em Casastartup

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas