Menino de 13 anos cria startup de venda de material escolar

Por Patrícia Basilio - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Filho de empresária e investidor-anjo, Davi Braga cresceu no mundo dos negócios e abriu a própria empresa, a List-It

Divulgação
Davi Braga, presidente da List-it, startup de venda de materiais escolares

Brincar e estudar são as principais atividades de uma criança de 13 anos, certo? Nem sempre. Na vida do alagoano Davi Braga, de 13 anos, essas atividades são cruciais, mas não exclusivas. O estudante também dedica seu tempo — acreditem — ao empreendedorismo.

LEIA TAMBÉM

Vale do Silício brasileiro reúne 20 startups em um único condomínio

Quem são os 'anjos' que multiplicam o lucro das startups

Filho de uma empresária e de um investidor-anjo, Braga cresceu ouvindo e compartilhando com os pais conhecimentos de gestão e administração. O que eles não esperavam é que o filho se tornasse um empresário precoce.

"Minha mãe tem uma loja de presentes e materiais de escritório e, no começo do ano passado, faltaram artigos escolares para vender. Sugeri a ela criar uma empresa B2B (business to business) e firmar parceria com outras lojas maiores para, assim, atender a demanda do mercado", afirma ele, utilizando linguajar adulto e bastante complexo para sua idade.

Surpresos, os pais questionaram seu o garoto havia lido sobre algo parecido em alguma revista de gestão. "Respondi que eu mesmo tinha tido a ideia e gostaria de comandar uma empresa do ramo", conta, orgulhoso.

Foi a partir daí que o pequeno Braga criou, em 2013, o projeto da List-It. Os consumidores buscam os materiais escolares para seus filhos e o site encontra, entre os parceiros, as lojas que oferecem esses artigos a preços mais acessíveis, explica o garoto.

A startup já conta com 772 clientes cadastrados na landing page (site promocional da marca) e está em busca de parceiros para começar a operar no fim deste ano ou no começo de 2015.

Davi (ao centro) com os pais: Cristiana Braga e João Kepler. Foto: Arquivo pessoalDavi Braga, o empresário mirim, aos 10 anos. Foto: DivulgaçãoDavi Braga deu palestra no Demo Brasil Nordeste, em abril. Foto: DivulgaçãoDavi Braga%2C presidente da List-it, startup de venda de materiais escolares. Foto: Divulgação

Segundo o garoto prodígio, o pai, investidor-anjo, orienta a empresa no início das operações. No entanto, Braga espera tocar os negócios sozinho e ter o próprio dinheiro em breve.

"Quero andar com as minhas próprias pernas", ressalta ele, que tem dois sócios maiores de idade, dois funcionários e que diz ser o CEO (presidente-executivo) da companhia.

"Com a ajuda do meu pai, levei minha ideia para vários congressos e pude aprender um pouco com cada congressista. Meus amigos da escola riram da minha ideia no começo, mas depois que apresentei uma palestra, eles ficaram surpresos e orgulhosos", conta ele, que está no 8º ano do ensino fundamental.

O garoto participou na semana passada do evento Demo Brasil 2014, que reúne startups, investidores e possíveis clientes e parceiros do Nordeste.

"Não tenho ideia do quanto a empresa vai faturar ainda, mas a List-It vai ganhar 10% em cima de cada lista escolar. Existem 12 milhões de mães com filhos no ensino fundamental no Brasil. Ou seja, a demanda é grande", prevê o empresário mirim.

Confira abaixo a palestra de Davi Braga na Demo Brasil Nordeste:

Apesar de dedicar grande parte do dia à empresa, Braga jura que sobra tempo para estudar e se divertir como uma menino normal. "Gosto de jogar video-game e chamar meus amigos para brincar comigo em casa. Sou criança nas horas vagas", argumenta.

Cuidado com os estudos

Não deixar a empresa atrapalhar os estudos e a infância do empresário mirim são as únicas exigências de João Kepler, pai do pequeno empreendedor.

"Quando percebi que empreender e negociar fazia parte do DNA dele, não tinha como reprimir", afirma Kepler.

Segundo o investidor-anjo, o empreendedorismo é tão forte na vida do garoto que Davi até hoje vende cupcakes feitos pela irmã na escola. "Desde pequeno, ele brinca de vender e montar coisas com os amigos", conta.

Leia tudo sobre: empresastartupmenino prodígiovendasB2B

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas