Tamanho do texto

As fraudes, segundo a PF, consistiam em inserção de dados falsos sobre dispensa de empregados

A Polícia Federal do Rio Grande do Sul investiga fraudes no sistema de Seguro-Desemprego ocorridas na Agência do Sistema Nacional do Emprego/Fundação Gaúcha do Trabalho e Assistência Social (Sine), em Canoas.

As fraudes, segundo a PF, consistiam em inserção de dados falsos sobre dispensa de empregados (muitos nem mesmo haviam sido desligados das empresas em que trabalhavam), ou majoração de valores de salário com o intuito de aumentar os valores do benefício social.

A principal responsável pelas fraudes, S. S. S., contratada da Agência do SINE/FGTAS em Canoas, foi alvo do cumprimento do Mandado de Busca e Apreensão em sua casa na manhã de sexta-feira, 28. Na manhã de quarta, ela foi interrogada e indiciada pela Polícia Federal pelo crime de Concussão (exigir vantagem indevida - pessoa equiparada a Funcionário Público).

Também serão interrogadas, de acordo com a PF, as pessoas que se beneficiaram do esquema fraudulento, devendo ser indiciados pelo crime de Corrupção Ativa (oferecer ou prometer Vantagem Indevida a Funcionário Público).

A PF acredita que deva ser grande o número das fraudes cometidas, pois o Sistema do Sine não prevê checagem de dados nem sequer integração com outros sistemas públicos, tais como os da Previdência e do FGTS, bem como não havia rotinas de revisão das informações, o que permitiu que uma "contratada" inserisse dados sem qualquer critério ou prova de veracidade".

O Ministério do Trabalho e Emprego mandou auditores de Brasília para o Rio Grande do Sul, para realizar uma auditoria na Agência do SINE de Canoas, rotina que deverá se estender para as outras agências.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.