Saiba quais produtos dão mais retorno na restituição de crédito da Nota Paulista

Por Maíra Teixeira - iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Além dos campeões de devolução de crédito, conheça quais produtos não dão nenhum retorno para o contribuinte de SP

Com cartão, consumidor não precisa ditar o CPF ao lojista
Divulgação
Com cartão, consumidor não precisa ditar o CPF ao lojista

Os créditos da nota fiscal paulista já fazem parte do cotidiano dos contribuintes que vivem no Estado de São Paulo, por isso as recentes mudanças provocadas pelo governo de Geraldo Alckmin – que jogam a devolução do dinheiro ao consumidor apenas para 2016 – causaram polêmica. Mas você sabe qual o produto dá o maior retorno em devolução de crédito? Levantamento feito a pedido do iG pelo tributarista Marcello Maurício dos Santos, do Chiarottino e Nicoletti Advogados, mostra qual nota não esquecer de jeito nenhum de pedir. 

O valor do crédito da nota fiscal paulista será maior na compra de mercadorias sujeitas às alíquotas mais elevadas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e que estejam na lista de produtos e serviços que fazem parte do Programa Nota Fiscal Paulista, do governo do Estado de São Paulo. A cobrança do ICMS depende de legislação estadual, portanto, varia de local para local e ainda tem variações por tipo de produto ou serviço.

Os maiores retornos de crédito da nota paulista são: brinquedos, sapatos, roupas, artigos de couro, por terem alíquota elevada do ICMS. Também dão bom retorno a compra de refeições. "É importante para geração do crédito da nota fiscal paulista, pois é o vendedor que apura o ICMS a recolher em suas operações e, principalmente, paga o imposto devido. Caso contrário, não haverá valor a ser ressarcido pelo consumidor, já que o recolhimento do imposto é condição indispensável à geração do crédito."

Santos explica que o benefício ao consumidor ocorre principalmente nas compras oriundas de grandes redes de lojas (magazines), restaurantes, bares, lanchonetes, em que o porte da empresa não permite a opção por um sistema de tributação com carga tributária menor (regime do Simples Nacional) tratando-se, portanto, de um vendedor que apura e recolhe efetivamente altos valores a título de ICMS.

Segundo o tributarista, gás encanado, energia elétrica ou serviços de comunicação (telefonia e internet, por exemplo) não dão retorno na restituição porque não estão incluídos no programa nota fiscal paulista. Já as compra de veículos, medicamentos e combustíveis – por não gerarem ICMS a recolher pelo vendedor, o estabelecimento – também não geram crédito. Esse regime de tributação é chamado de substituição tributária.

Uma curiosidade que fica no imaginário das pessoa é a dúvida: a inclusão de bebida alcoólica em uma nota anula créditos?. Segundo Santos, as bebidas são na sua maioria tributadas por substituição tributária, portanto, não geram pagamento de ICMS pelo estabelecimento vendedor e, consequentemente, não geram crédito a ser devolvido ao contribuinte. Mas também não retiram créditos.

O tributarista relata que o valor do crédito gerado ao contribuinte é apurado por meio da aplicação de uma fórmula matemática – prevista na lei que regulamenta o programa de incentivo fiscal – que permite quantificar o valor do ICMS relativo à compra realizada que será atribuído ao contribuinte participante do programa, a título de crédito originado.

Valor do crédito gerado ao contribuinte é apurado por meio de fórmula matemática
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Valor do crédito gerado ao contribuinte é apurado por meio de fórmula matemática

Tal fórmula leva em consideração, basicamente, três fatores:

1) o valor do ICMS efetivamente recolhido no mês pelo estabelecimento vendedor da mercadoria incidente sobre todas as vendas;

2) o valor de aquisição da mercadoria pelo consumidor participante;

3) o valor total de operações do estabelecimento vendedor, onde o comprador tenha exigido o CPF no documento fiscal.

"Portanto, quanto mais notas fiscais com identificação de CPF forem emitidas pelo vendedor, menor poderá ser o valor a ser ressarcido a título de crédito da Nota Fiscal Paulista pelo comprador", analisa Santos.

Veja na galeria os produtos que não dão retorno e os campeões de devolução:

Alguns produtos não dão retorno na restituição porque não estão incluídos no programa nota fiscal paulista, como o gás encanado. Foto: gás encanadoEnergia elétrica também não dá nenhum retorno para o contribuinte de São Paulo . Foto: EBCServiços de comunicação, como telefonia e internet, também não dão retorno na restituição porque não estão incluídos no programa nota fiscal paulista . Foto: Agência BrasilA compra de veículos, por não gerar ICMS a recolher pelo vendedor, também não gera crédito. Foto: Lucas Lacaz Ruiz/Futura PressMedicamentos também não dão retorno de crédito para o contribuinte de São Paulo. Foto: Thinkstock/Getty ImagesCombustível também não gera ICMS a recolher pelo vendedor e, por isso, não gera crédito. Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos PúblicasJá os brinquedos estão entre um dos campeões de retorno de crédito da nota paulista. Foto: ReproduçãoSapatos também dão um bom retorno de crédito. Foto: Ozier Muhammad/The New York TimesRoupas são um dos produtos que dão maior retorno de crédito na nota paulista. Foto: APArtigos de couro têm alíquota elevada do ICMS e, por isso, são campeões de devolução de crédito . Foto: DivulgaçãoTambém dão bom retorno a compra de refeições. Foto: receitas


Se estabelecimento não paga imposto, contribuinte não recebe crédito

Outro fator importante para geração do crédito é que o vendedor apure o ICMS a recolher em suas operações e, principalmente, pague o imposto devido. Caso contrário, não haverá valor a ser ressarcido pelo consumidor, já que o recolhimento do imposto é condição indispensável à geração do crédito. 

"Se o vendedor efetua a venda de mercadorias sujeitas ao regime da substituição tributária, onde o imposto é recolhido na maioria dos casos pelo produtor por conta dos demais revendedores (como no combustível, que é recolhido na refinaria, não gerando ICMS a recolher pelas distribuidoras ou postos revendedores), a inclusão do CPF no documento fiscal terá como único efeito positivo ao comprador o aumento das chances de receber um dos prêmios que são sorteados dentro do programa, cuja quantidade de bilhetes eletrônicos para participar do sorteio é gerada a partir da soma dos valores dos documentos fiscais com solicitação de inclusão do CPF no período, dividido por 100", explica.

A cada R$ 100 em compras, mesmo que a mercadoria não gere ICMS a pagar pelo vendedor e, consequentemente, crédito ao contribuinte participante, será gerado um bilhete eletrônico para participação nos sorteios, que utilizam os números da Loteria Federal.


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas