Dicas para economizar na compra do material escolar

Por Maíra Teixeira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Educadores financeiros alertam sobre a necessidade que pais têm de se programar antes de ir às compras, para evitar gastos desnecessários e armadilhas de consumo

Você está preparado para a compra do material escolar? Para quem tem filhos, esse é um dos grandes gastos do começo do ano, junto com IPVA e IPTU. A maior dúvida é como economizar sem ter de abrir mão de obter os itens que as crianças necessitam.

A primeira recomendação de especialistas é a velha pesquisa de preços, mas antes é recomendável que se tenha em mente quanto se pode gastar. "O primeiro passo é realizar um diagnóstico da vida financeira da família, para saber exatamente quais são os ganhos e gastos mensais e quanto poderá dispor para a aquisição do material escolar. É fundamental ir às compras com antecedência para não precisar ser obrigado a pagar mais caro de última hora", ensina Reinaldo Domingos, educador financeiro, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin).

A educadora financeira Ana Paula Hornos ensina que analisar as marcas que serão compradas a cada item e levar em consideração junto com seu filho a real necessidade. “Converse sobre estilo de vida e influência da mídia ou dos amigos. Reflita com ele o que é necessidade e o que é desejo.”

Ana Paula fala da necessidade de guardar folhetos de promoção, fazer pesquisa na internet de produtos em lojas e sebos online. “Cuidado com promoções que colocam um produto chamariz em oferta para incentivar os pais a comprarem outros materiais vendidos a preços mais caros. Limite-se a comprar o item da promoção caso os demais da lista não valham a pena naquele estabelecimento”, alerta a educadora financeira.

Segundo o Procon-SP , não pode ser incluso na lista, materiais de uso comum (produtos de higiene, limpeza, atividade de laboratório etc), bem como os utilizados na área administrativa. A prática, além de abusiva, nos termos do artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, é proibida, como dispõe o parágrafo 7º do artigo 1º da Lei 9.870/99.

Domingos elenca cinco passos que podem orientar pais e responsáveis para superar esse momento do ano sem comprometer o orçamento.

Faça uma lista do que se precisa comprar. Assim, evita-se a compra por impulso consumista, deixando de economizar;

Tente fazer a compra em conjunto com outros pais. "A probabilidade de conseguir preços menores aumenta, pois com volume de compra elevado, é possível pressionar por descontos", ensina.

Veja a possibilidade de reutilizar material do ano anterior. Junte o material escolar do ano anterior e veja se é possível ainda reaproveitar livros didáticos do filho mais velho para o mais novo. Se não der, faça uma boa ação e doe o material para crianças ou jovens de famílias que não possuem condições de comprá-los;

Converse com os filhos antes das compras e diga qual o valor poderão gastar. Explique a situação em que a família se encontra. Caso contrário, será muito fácil ceder aos desejos das crianças e adolescentes e, com isso, gastar mais do que o planejado;

Na loja, explique ao vendedor de forma clara o que você precisa. Busque sempre a melhor opção de pagamento. Sempre pergunte quanto aquele produto custa à vista? Isso proporcionará bons descontos. Se tiver que pagar a prazo, veja se as parcelas caberão no orçamento mensal.

O educador financeiro ressalta que comprar materiais escolares requer cuidados, mas o investimento vale à pena.  "Essa será a base necessária para os estudos. Preocupar-se em economizar sem deixar de proporcionar o que a família precisa faz parte do processo de educação financeira. Passe esses ensinamentos aos pequenos, pois, se aprenderem agora, se tornarão adultos mais conscientes e saudáveis financeiramente."


 


Leia tudo sobre: material escolardicascompras

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas