É hora de comprar imóvel para morar, aconselham especialistas

Por Maíra Teixeira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo especialistas, é preciso fugir de feirões que prometem descontos muito grandes, além de pesquisar muito e aproveitar o momento para barganhar; desconto possível é de 15%

Divulgação
Em empreendimento com estoque, a melhor hora para oferta a vendedor é perto da entrega

Quem planeja comprar um imóvel nas grandes cidades brasileiras sabe que a procura não é tarefa fácil e os preços fogem da realidade quando comparados ao tamanho do imóvel, cada dia mais reduzido. Mas esse cenário começa a mudar e quem quer comprar um lugar para morar deve ficar atento a oferta, que está alta, e saber que este é um bom momento para barganhar.

Em cidades reconhecidas pelo alto custo de vida, como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, os preços de casas e apartamentos já sobem menos do que a inflação, mesmo que registrem o valor mais alto do metro quadrado do País – R$ 10.830, R$ 8.301 e R$ 8.089, respectivamente.

Os dados são do Índice Fipe-Zap, divulgados na quarta-feira (5). O indicador acompanha o preço médio do metro quadrado de apartamentos prontos em 20 municípios brasileiros com base em anúncios da internet.

Leia mais: Aprenda a calcular quanto vale seu imóvel

Imóveis perdem valor no 1º semestre, aponta FipeZap

Donos de imóveis já quitados brigam na Justiça contra saldo residual

Segundo estimativa do Boletim Focus, do Banco Central, a variação do IPCA (inflação oficial medida pelo IBGE) de outubro deve ficar em 0,50%, enquanto levantamento do Índice Fipe-Zap mostra que a alta no preço do metro quadrado em sete importantes cidades brasileiras deve ser inferior ao aumento da inflação. São elas: São Paulo (0,30%), Rio de Janeiro (0,35%), Salvador (0,48%), Fortaleza (0,03%), São Caetano do Sul (0,17%); as cidades de Brasília (-0,02%) e Florianópolis (-0,55%) registraram recuos nos preços.

"Sempre é o momento de comprar imóvel para morar porque é investir em algo que é seu. Mas agora a hora é convidativa porque, no ano e em todo o Brasil, o aumento de preço médio nos imóveis anunciados na internet é menor que 9%, enquanto a inflação oficial está quase em 33%", afirma Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, sindicato que representa empresas de habitação em São Paulo.

Bruno Vivanco, vice-presidente de Abyara, concorda que o momento seja propício devido aos estoques altos. Segundo os levantamentos da empresa imobiliária, há três anos se vendia de 80% a 90% das unidades em lançamentos, enquanto hoje as vendas ficam entre de 30% a 40%.

Vivanco ressalta que os preços sofrem ajustes, mas não chegam a cair porque subiram em alta velocidade nos últimos sete anos – apoiados no programa federal Minha Casa Minha Vida, na expansão de empresas imobiliárias, nos maiores prazos de financiamento e no aumento do crédito.

"Hoje o cenário é justamente o contrário e segue o baixo nível da atividade econômica. Há ainda um fator negativo no mercado imobiliário, está havendo devolução de unidades". Vivanco explica que imóvel parado e pronto é custo para as empresas do setor que têm de pagar IPTU e condomínio. 

O que saber para fazer uma boa compra

Os especialistas consultados pelo iG avisam que é preciso desconfiar de feirões e descontos muito grandes. “Muitas vezes, esse tipo de evento eleva o preço antes de anunciar e no fim dá desconto de 5%, dizendo que é de 40%. O empreendedor teve custos ao longo do ciclo produtivo e se der esses descontos enormes, tem prejuízo", avalia Vivanco. Um desconto possível e real ficaria em torno de 15% do valor do imóvel”.

Outra dica importante do executivo é deixar para comprar um apartamento ou casa em condomínio em um empreendimento novo, perto da entrega e com estoque. “A venda é facilitada porque o empreendedor não quer ter estoque na entrega, já que terá de arcar com custos. O vendedor negocia bem nessa situação”, diz.

Para Petrucci, do Secovi-SP, a combinação entre pesquisa de preço, de produto e paciência para fechar o negócio também é indicada para se fazer um bom negócio.

"É preciso evitar a pressa ao fazer um negócio. Comparar, pesquisar, olhar muitas opções e ver o que dá mais mobilidade de transporte, visitar empreendimentos em horários diferentes para saber qual a intensidade do sol e em qual parte do dia", ensina Petrucci, do Secovi-SP.

Apartamentos em andares altos e com face para o sol são mais valorizados, por isso, se o dinheiro está curto escolha unidades em andares baixos. 

Descubra 10 soluções para aumentar o valor do seu imóvel:

Contrate um home staging: profissional repagina a decoração para agradar o comprador. Foto: RossiFaça manutenção preventiva para evitar gastos maiores no futuro. Foto: Thinkstock/Getty ImagesNão descuide do seu jardim nem deixe ele virar matagal. Foto: DivulgaçãoPendências financeiras podem virar um entrave na hora de vender o imóvel. Foto: Thinkstock/Getty ImagesPiscina e churrasqueira valorizam? Depende do perfil do imóvel. Foto: DivulgaçãoPinte o imóvel com cores claras e sóbrias. Branco e tons pastel são os mais recomendados. Foto: Thinkstock/Getty ImagesNão descuide da fachada do imóvel, que causa a primeira impressão no interessado. Foto: Thinkstock/Getty ImagesMóveis planejados podem valorizar o imóveis, mas há risco se for muito personalizado. Foto: DivulgaçãoMantenha a documentação do imóvel em dia para facilitar a transação. Foto: Getty ImagesMantenha o imóvel limpo de organizado para causar boa impressão. Foto: Thinkstock/Getty Images


Leia tudo sobre: mercado imobiliáriocompraimóvelpreçosfipe-zapsecovicasa própria

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas