Você gasta ou investe? Confira 8 dicas

Por Taís Laporta - iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Saiba diferenciar quando um bem ou serviço que você adquiriu foi apenas uma despesa do cotidiano ou um investimento que pode gerar retorno ao seu patrimônio

Thinkstock/Getty Images
Considerado um bom investimento, imóvel pode ser mau negócio em certos casos

Ao pagar por um bem ou serviço, você gastou ou investiu? Muita gente confunde essas duas formas de lidar com o dinheiro, mas como diferenciá-las? Despesa é o dinheiro que você tira do bolso e não obtém retorno algum. Já o investimento é como plantar e colher: ele proporciona um resultado concreto. Pode ser palpável, como aumentar sua riqueza, ou subjetivo, como trazer crescimento profissional.

Um imóvel, um carro ou uma viagem podem ser uma mera despesa ou transformar-se em um investimento valioso. Vai depender do uso que se faz deles e do momento do mercado, que é extremamente volátil, explica a consultora de finanças pessoais Suyen Miranda. “Não adianta comprar dez sacos de alface por R$ 0,10 se você não puder consumir todos. Mas se você doá-los para uma creche, onde a demanda é grande, certamente terá feito bom uso de sua compra”, exemplifica.

Para os itens de consumo preferidos do brasileiro, a lógica é a mesma. Confira oito produtos ou serviços que costumamos adquirir e saiba em que casos eles podem dar retorno ou ser lembrados apenas como mais uma dívida a pagar:

>> CARRO

Gasto – Considerado um bom investimento no passado, hoje o automóvel popular perde 10% de seu valor por ano. “É um bem de consumo que agrega qualidade de vida, mas não é para ganhar dinheiro”, acredita o educador financeiro e presidente da consultoria DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos. Se for somente para satisfação pessoal e não gerar rendimento, afirma a consultora Suyen, o carro tem mais perfil de despesa, ao requerer recursos financeiros para manutenção e outros gastos.

Investimento – “Ele pode ser considerado um investimento se for ferramenta de trabalho, algo que viabilize visitar clientes, e parte fundamental para viabilizar um negócio próprio”, observa a especialista. Ganhar dinheiro com a venda de carros é somente para especialistas ou vendedores com experiência neste mercado.

IMÓVEIS: é considerado investimento, mas pode gerar grandes despesas se a compra não for planejada. Foto: Thinkstock/Getty ImagesCARRO: agrega qualidade de vida, mas só é investimento se usado como ferramenta de trabalho. Foto: Thinkstock/Getty ImagesLAZER: dinheiro usado em atividades no tempo livre é mais bem gasto se associado a momentos de prazer. Foto: Thinkstock/Getty ImagesCURSOS: quando agregam valor a sua profissão ou ajudam a dar um salto na carreira, são ótimos investimentos. Foto: Thinkstock/Getty ImagesJOIAS: não devem ser adquiridas para ganhar dinheiro com elas, já que perdem valor no momento em que saem da loja. Foto: Thinkstock/Getty ImagesROUPAS: se utilizadas para fazer marketing pessoal no trabalho ou para uma entrevista de emprego, são investimento. Foto: Thinkstock/Getty ImagesOBRAS DE ARTE: só são investimento entre profissionais especializados e conhecedores de arte. Foto: Thinkstock/Getty ImagesVIAGEM: quando agrega experiência de vida e bagagem cultural, pode ser considerada um ótimo investimento. Foto: Thinkstock/Getty Images


>> JOIAS (OURO E PEDRAS)

Gasto – Joias de valor fascinam, mas sua revenda dificilmente é bom negócio. Quando avaliadas para o leilão de penhores da Caixa Econômica, seu valor é calculado pelo peso do objeto, e não pelo trabalho artístico ou pelas pedras incrustadas. E assim como outros bens, a joia ou pedra preciosa passa a valer menos no momento em que é comprada. Diamantes podem perder 50% do valor ao sair da loja.

Investimento – Investir em joias só é vantajoso se a peça tiver um forte valor agregado. Se for antiga ou tiver um cunho histórico, pode ser valiosa dentro de um mercado muito segmentado, explica Suyen. “Mas é preciso encontrar um bom comprador para a peça e que esteja disposto a pagar por ela”. Diferente das joias, os títulos de mercado lastreados em ouro são considerados um investimento, já que ganham ou perdem valor em pouco tempo. Neste caso, você nem vê a cor do ouro. Apenas detém um papel atrelado à valorização do metal.

>> OBRA DE ARTE

Gasto – Assim como as joias, ao comprar o trabalho de um artista, não se deve pensar em gerar aumento de capital. A menos que você seja um especialista, a compra deve ser feita apenas pelo interesse em adquirir a obra. “Se você não entende nada de arte, caia fora”, recomenda Domingos.

Investimento – Há profissionais que enriqueceram vendendo obras de arte, mas eles são a absoluta minoria e, geralmente, profundos conhecedores de seu trabalho. Eles costumam atuar em mercados específicos, como antiguidades, e atuam em círculos fechados de compradores, além de conseguir estimar o valor de uma peça e sua liquidez (facilidade em vendê-la). Fora estes casos, é um mau negócio.

>> ROUPAS E ACESSÓRIOS

Thinkstock/Getty Images
Vestuário como ferramenta de marketing pessoal é investimento

Gasto – Lotou o guarda-roupa com dezenas de peças que você nem usou? Tem tantos pares de sapatos que você nem se lembra em usar metade deles? Ou para cada festa de casamento que você vai, compra um vestido novo e o descarta? Nenhum desses foi um bom investimento. “Em caso de festas, é sempre melhor alugar”, recomenda o consultor do Dsop.

Investimento – Comprar um belo terno para trabalhar ou para uma entrevista de emprego é, certamente, uma boa aposta financeira, segundo Domingos. Roupa e acessórios só são investimentos se agregarem valor a sua imagem. Do contrário, são itens de consumo base do cotidiano. “Só é investimento se a peça adquirida servir como um marketing pessoal”, acredita a consultora Suyen.

>> VIAGEM

Gasto – Difícil definir os gastos com viagem como um dinheiro mal gasto, a menos que o passeio seja forçado ou por alguma obrigação. É daqueles itens que quase sempre geram satisfação, mais associada a experiências do que a bens materiais. “Viagens aumentam a cultura e a bagagem pessoal, mas não o patrimônio material”, explica Suyen.

Investimento – Se for uma viagem de negócios, aí sim ela contribui para o enriquecimento material, aponta Domingos. Viajar para fazer um curso também pode gerar bons frutos. Mas o maior benefício é a realização pessoal e o acesso a cultura e conhecimento.

>> CURSOS

Gasto – De MBAs a workshops, os cursos oferecidos no mercado podem tanto atender a uma necessidade de atualização profissional quanto ao ímpeto de ocupar-se com algo prazeroso. “É apenas um gasto aquele curso de artesanato em que você se distrai, mas fora dali nunca pintou um pano de prato”, exemplifica a consultora Suyen. Adquirir conhecimento para não aplicá-lo é uma despesa sem retorno.

Investimento – Cursar uma especialização ou mesmo um intensivo de férias que sirva como complemento para sua profissão é um ótimo investimento, explica o presidente do Dsop. “Se é para alavancar um negócio ou melhorar seu cargo na empresa, é um dinheiro muito bem aplicado”. Nem sempre um curso que agrega conhecimento, no entanto, trará um benefício direto na carreira. “Cultura bem usada nunca é despesa”, acredita Suyen.

>> LAZER

Gasto – Atividades associadas ao tempo livre, geralmente, se enquadram nas despesas comuns do cotidiano. Mas para que seja um dinheiro bem gasto, é essencial fazer disso um prazer. “Jantar fora todos os dias torna-se um hábito, mas se for uma vez por semana, é laser”, diz Domingos.

Investimento – Se você é um crítico gastronômico, comer em restaurantes será mais que um momento de prazer, mas uma ferramenta de trabalho. O mesmo pode ocorrer para quem trabalha com música e vai ao show de um ídolo. Visitas a parques, museus ou ir ao cinema podem ser investimentos, desde que agreguem algum valor, mesmo de forma indireta.

>> IMÓVEIS

Gasto – Em muitos casos, um imóvel gera mais despesa do que rendimentos. Suyen cita uma casa de praia que fora de temporada nem sempre é fácil de alugar. “Ele precisa de limpeza, manutenção e recolhimento de impostos sem gerar necessariamente lucro”, diz. Sem contar a necessidade de reforma. Se comprar um imóvel para alugar, deve-se avaliar antes a procura e demanda na região. Mas se a casa é aproveitada pelos proprietários com frequência, gera menos despesa.

Investimento – Para fazer a compra de um imóvel uma oportunidade, é preciso ter conhecimento deste mercado. Para Domingos, já passou a fase de supervalorização dos preços vista nos últimos quatro anos e as chances de lucrar caíram. “Ganhar dinheiro com isso também requer especialidade”, avalia. É mais um negócio para profissionais do ramo imobiliário, que conhecem a demanda de determinadas regiões e a liquidez do ativo. Para Suyen, na maioria dos casos o imóvel é considerado um investimento.

Leia tudo sobre: gastoinvestimentofinançasfinanças pessoaisimóvelcarroourojoias

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas