Publicidade
Publicidade - Super banner
Finanças Pessoais
enhanced by Google
 

Light vai aumentar investimentos para evitar cortes de energia

RIO - A Light acredita que os problemas ocorridos no fornecimento de energia elétrica neste verão não se repetirão no ano que vem. Para isso, prevê aumentar os investimentos em distribuição, que no ano passado atingiram R$ 450 milhões, além de mudar a gestão ligada à manutenção, principalmente das câmaras subterrâneas, que abrangem 500 mil do universo de 3,9 milhões de consumidores da companhia.

Valor Online |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561714747&_c_=MiGComponente_C

O presidente da Light, Jerson Kelman, lembrou que o investimento em distribuição da companhia deu um salto nos últimos anos, passando de R$ 271 milhões em 2005 para R$ 450 milhões no ano passado.

O executivo ressaltou que o aumento das verbas gastas não foi suficiente para evitar problemas graves, como o que deixou o Centro do Rio sem luz por grande parte dos três últimos dias.

"Não estou dizendo que está bom. Se estivesse bom, não teria problema. O esforço de investimentos vem desde 2008 e vamos colocar o pé no acelerador. Mas o volume depende do Conselho de Administração", frisou Kelman, lembrando que a definição dos investimentos em distribuição deverá acontecer em 9 de abril.

Kelman explicou que o foco inicial na gestão de manutenção acontecerá nas câmaras subterrâneas, que têm apresentado problemas de forma mais recorrente.

No caso do corte no Centro, o problema foi causado pela queda de quatro dos oito cabos alimentadores da rede subterrânea na região devido a um curto.

O fornecimento foi restabelecido às 8h10, com a ocorrência de cortes pontuais, como no prédio do Detran, onde um dos dois disjuntores estava desarmado.

O novo presidente da Light - indicado pela nova controladora, a Cemig - espera apresentar em 60 dias um diagnóstico das ações feitas pela companhia para reduzir o número de interrupções no fornecimento.

Entre as medidas está a criação de áreas determinadas para cada equipe realizar a manutenção. Como consequência, a empresa espera distribuir bônus para as equipes cujas áreas de atuação apresentarem baixos índices de interrupção no fornecimento.

Paralelamente, a companhia vai desenvolver medidas para evitar roubo de equipamentos das galerias subterrâneas, outra causa comum de queda no fornecimento na sua área de atuação.

"No próximo verão, a população do Rio de Janeiro não vai passar pela situação aflitiva que passou neste verão", prometeu o executivo.

"Pedimos desculpas à população e vamos nos empenhar para que isso não aconteça. Seria irresponsabilidade dizer que não acontecerá. Claro que acontecerá, mas vamos diminuir a frequência", acrescentou, lembrando que não há distribuidora de energia imune a quedas no fornecimento.

Kelman atribuiu a intenção de trazer uma percepção de melhora no fornecimento no próximo verão porque a época de altas temperaturas é a que traz mais aumento de carga e o consequente estresse maior para os equipamentos. O executivo fez questão de frisar que não estava usando a alta da temperatura como desculpa.

"Mesmo se não fizéssemos nada, haveria uma percepção de melhora com o fim do verão, porque a demanda cai. Mas quando viesse o verão, os problemas voltariam", ponderou.

"Nossa responsabilidade é estarmos preparados para o aumento de temperatura e por isso temos que estar preparados para o próximo verão", disse Kelman, lembrando que no quarto trimestre o consumo de energia na área de concessão da Light subiu 10,5% em relação aos três últimos meses de 2008, sendo uma alta de 14,7% no segmento residencial e de 9,3% no segmento comercial.

(Rafael Rosas | Valor)

Leia tudo sobre: apagãoenergia elétricainvestimentoslightrio de janeiro

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG