Publicidade
Publicidade - Super banner
Finanças Pessoais
enhanced by Google
 

Como fazer render o dinheiro guardado para a festa de casamento

Se o objetivo é resgatar os recursos no fim do ano, aplicações de renda-fixa que acompanham os juros e a inflação são boas opções

Olívia Alonso, iG São Paulo |

O dinheiro já está em mãos, mas a festa de casamento é apenas no fim do ano. O que fazer para não ver o capital acumulado com muito esforço ser corroído pela inflação até lá?

Especialistas sugerem aplicações de renda-fixa para situações como esta, em que o poupador já conseguiu juntar os recursos - ou parte deles - necessários para o objetivo de curto prazo. 

Getty Images
Aplicações de renda-fixa são uma boa opção para guardar o dinheiro do casamento
As sugestões são os Certificados de Depósito Bancário (CDB) e os Títulos do Tesouro Direto.

CDB DI
(Certificado de Depósito Bancário indexado ao Depósito Interbancário)

Como a inflação está alta, a aposta dos especialistas é de aumento dos juros, o que eleva o ganho com o CDB DI, que são títulos atrelados à taxa básica de juros brasileira, a Selic.

Os certificados são comprados em bancos ou outras instituições financeiras e, na hora da aquisição, os clientes devem tentar negociar uma boa taxa de retorno (um percentual do ganho fica com o banco). Especialistas afirmam que o cliente pode conseguir até 102% do rendimento da aplicação. O mínimo aceitável é 97,5%. Se o rendimento líquido em 11 meses for de 8,7%, o investidor terá no momento do resgate R$ 65,2 mil.

Algumas vantagens em relação ao Tesouro Direto são: a comodidade, uma vez que o cliente pode transferir o dinheiro que possui na conta bancária para a aplicação, e a maior liquidez, o que facilita a venda.

Tesouro Direto: LFT e NTN-B

Os títulos do Tesouro Nacional são uma modalidade de renda-fixa em que o investidor não paga taxas para bancos, pois a compra dos títulos é feita diretamente com o governo. No entanto, é preciso fazê-la por meio de uma instituição habilitada, que pode ou não cobrar uma taxa de custódia.

A sugestão de consultores financeiros para quem possui R$ 60 mil e pretende casar no fim do ano é a compra de Letras Financeiras do Tesouro (LFT), que variam de acordo com a Selic, ou de Notas do Tesouro Nacional – série B (NTN-B), que acompanham a inflação.

O cálculo do retorno das LFT é feito diariamente, corrigido pela taxa básica de juros correspondente a um dia. Se a taxa básica de juros sobe, o rendimento diário aumenta. Se as taxa básica de juros cai, ele também cai.

Já o retorno das NTN-B é resultado da inflação mais uma taxa previamente estipulada. Caso os preços do vestido da noiva, da decoração da festa e do buffet subam até o fim do ano, esse tipo de investimento serve como uma proteção, já que vai acompanhar a inflação.

Se o rendimento líquido em 11 meses for de 10%, o investidor terá no momento do resgate R$ 66 mil.

Uma vantagem em relação ao CDB é que os custos envolvidos são mais baixos do que os que os bancos cobram. Uma desvantagem é que o resgate antes do vencimento pode não pagar o montante esperado pelo investidor. No caso das LFT, esse problema é menor, pois o valor do título sofre poucos efeitos das variações das taxas de juros, que são sempre positivas.
 

Leia tudo sobre: casamentocasarrenda-fixaTesouro DiretoCDB

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG