Restituição do IR nos últimos lotes é vantajosa se Selic subir

Por Taís Laporta - iG São Paulo |

Texto

Já quem receber pagamento da Receita nos primeiros lotes pode aplicar dinheiro em títulos do Tesouro Nacional ou em ações, que podem render acima da taxa básica de juros

Getty Images
Aplicar restituição do IR na poupança não é vantajoso para quem recebe nos primeiros lotes

Quem recebe a restituição do Imposto de Renda tem o valor corrigido pela taxa básica de juros (Selic), de 7,25% ao ano, na data do pagamento. Por um lado, pode ser vantajoso entregar a declaração no fim do prazo – para receber o dinheiro nos últimos lotes e aumentar a correção dos juros – mas, dependendo do objetivo financeiro e de fatores como a inflação, pode ser mau negócio.

Para o coordenador do site Investmania, Thiago Pessoa, é desvantajoso aplicar a restituição recebida nos primeiros lotes na pouçança, por exemplo. “A aplicação tem rendido apenas 70% da taxa Selic, portanto, se o objetivo é investir, melhor receber o valor nos últimos lotes”, explica.

Já para investidores com perfil moderado que receberem logo o pagamento da Receita, é boa opção aplicar o dinheiro em títulos do Tesouro Direto que pagam taxa Selic, mais correção do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), como os papéis NTN-B, segundo Pessoa.

Quem está disposto a riscos maiores pode encontrar uma boa alternativa no mercado de ações, na opinião do especialista. Mesmo com o mau desempenho da bolsa no primeiro trimestre do ano, em 7,55% negativos, ainda há boas opções, segundo ele. “Se o objetivo é ter um retorno maior da restituição, a aposta pode ser de longo prazo, em empresas com bons fundamentos (que determinam sua qualidade)”.

Segundo o coordenador de ciências contábeis da Faculdade Santa Marcelina, Reginaldo Gonçalves, quanto maior o valor da restituição a receber, mais provável que o pagamento demore a sair. “Há casos em que a análise da declaração é mais demorada, em virtude do volume declarado”, explica.

Se o contribuinte tem dívidas a pagar, deve se apressar para entregar a declaração o quanto antes e torcer para receber a restituição nos primeiros lotes. “Não é vantajoso esperar a correção da Selic neste caso, pois os juros de qualquer dívida são maiores, como crédito consignado ou financiamento de veículos”, orienta Pessoa, da Investmania.

Com a possibilidade de que o Banco Central volte a aumentar a taxa Selic para até 8,5% ao ano até dezembro, Pessoa argumenta que pode ser melhor receber a restituição nos últimos lotes do que receber antes e aplicar no Tesouro Direto, por exemplo, já que os rendimentos dos títulos públicos têm IR retido na fonte (veja a tabela).

Tributação do Imposto de Renda no Tesouro Direto

Tempo de aplicaçãoAlíquota
Até 180 dias22,5%
Até 360 dias20%
Até 720 dias17,5%
Acima de 720 dias15%


Mas se a inflação for muito alta no período, o rendimento pode ser ínfimo ou até anulado. Em 2012, por exemplo, quem recebeu a restituição em dezembro, teve correção de 5,45%, com base na Selic. Para quem recebeu no primeiro lote (junho), a correção foi de 1,74%. “Levando em conta a inflação de junho até dezembro, que foi de 4,5%, não foi vantajoso atrasar a restituição”, explica Pessoa.

Na opinião da especialista em IR da MG Contécnica, Alexandra Assis, é preferível que o contribuinte se antecipe e entregue a declaração o quanto antes, independentemente de quando receberá a restituição e a tabela de correção. “A variação dos juros é muito baixa perto do risco que se corre ao entregar por último. A antecedência evita equívocos que levam à malha fina”, adverte.

Leia tudo sobre: ir2013Receita FederalImposto de RendaSelicjuroscorreçãoBanco Central
Texto

notícias relacionadas