SÃO PAULO (Reuters) - O uso da capacidade instalada da indústria brasileira deve registrar em 2010 o maior crescimento apurado nos últimos oito anos, conforme sondagem da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgada nesta segunda-feira. A previsão de expansão de 14,6%, em média, é baseada no planejamento ou em decisões de investimento aprovados pelas empresas consultadas em levantamento realizado nos dois primeiros meses do ano.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237562643072&_c_=MiGComponente_C

Para o intervalo de 2010 a 2012, a pesquisa estima crescimento de 23,8%, acima do percentual calculado para o triênio 2009-2011 (21,2%), mas inferior à projeção divulgada em 2008 (25,1%).

Entre os setores, bens de consumo é destaque em 2010, com expansão média projetada de 16%, a mais favorável dos últimos cinco anos, de acordo com a FGV.

Os setores de bens de capital e bens intermediários vêm a seguir, com previsões médias de 15,4% e 13,8% para este ano, respectivamente.

De acordo com a sondagem, 80% das empresas veem o nível de demanda interna como uma influência positiva para a realização de investimentos em 2010. Para a demanda externa, 40% veem como um componente benigno em 2010.

As condições de financiamento, por sua vez, foram avaliadas como uma influência positiva em 2010 por 42% das empresas, o melhor resultado da série.

A taxa de juros, contudo, foi indicada como influência positiva apenas por 31% do mercado e negativa por 29%. Apesar das opiniões ainda divididas, esta também é a melhor avaliação a respeito desta variável nos últimos quatro anos, de acordo com a FGV.

Leia mais sobre: indústria

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.