Tamanho do texto

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a inflação sentida pela população idosa, registrou alta de 2,72% no primeiro trimestre deste ano, taxa maior do que a apurada no quarto trimestre do ano passado, quando teve avanço de 0,51%. A informação foi anunciada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade (IPC-3i), que mede a inflação sentida pela população idosa, registrou alta de 2,72% no primeiro trimestre deste ano, taxa maior do que a apurada no quarto trimestre do ano passado, quando teve avanço de 0,51%. A informação foi anunciada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com o resultado, o IPC-3i acumula alta de 5,33% nos últimos 12 meses até março.<p><p>Ainda de acordo com a FGV, a inflação nos três primeiros meses de 2010 sentida pelos idosos foi inferior à apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR), que mede a inflação no varejo em todas as faixas etárias e que subiu 2,86% mesmo período. Porém, o impacto de preços entre os idosos no acumulado em 12 meses até março foi mais intenso do que o IPC-BR para o mesmo período, que registrou alta de 5,17%.<p><p>Em comunicado, a FGV informou que, entre as sete classes de despesa pesquisadas para cálculo do índice, as principais contribuições para a aceleração da alta dos preços entre o quarto trimestre do ano passado e o primeiro trimestre deste ano partiram de mudanças nas trajetórias de preços em cinco das sete classes de despesa pesquisadas. No período, houve términos de deflação ou taxas de inflação mais intensas em Alimentação (de -0,51% para 5,80%), Habitação (de 0,95% para 1,11%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,63% para 0,96%), Transportes (de 1,76% para 3,87%) e Despesas Diversas (de 0,38% para 1,88%). Já as duas classes de despesa restantes apresentaram desaceleração da alta de preços ou início de deflação no mesmo período. É o caso de Vestuário (de 2,13% para -0,77%) e de Educação, Leitura e Recreação (de 1,00% para 0,59%).<p><p>Entre os produtos, as altas mais expressivas de preço no período entre janeiro e março de 2010, no âmbito do IPC-3i, foram apuradas em tomate (61,06%), tarifa de ônibus urbano (10,93%) e batata inglesa (27,17%). Já as mais significativas quedas foram apuradas nos preços de passagem aérea (-23,25%), limão (-24,38%) e maçã nacional (-24,80%). O IPC-3i representa o cenário de preços em famílias com pelo menos 50% dos indivíduos de 60 anos ou mais de idade e renda mensal entre um e 33 salários mínimos.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.