Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

FGV: confiança do consumidor sobe 3,5% em abril

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,5% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, segundo informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que também revisou para cima a alta do ICC de março ante fevereiro, de 0,6% para 0,7%. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos (sendo que, quando mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), foi de 111,4 pontos para 115,3 pontos de março para abril.

AE |

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,5% em abril ante março, na série com ajuste sazonal, segundo informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que também revisou para cima a alta do ICC de março ante fevereiro, de 0,6% para 0,7%. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos (sendo que, quando mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), foi de 111,4 pontos para 115,3 pontos de março para abril.

Em seu comunicado, a fundação informou que, em abril, tanto as avaliações sobre o momento atual quanto as expectativas com relação aos próximos meses foram mais favoráveis. O ICC é dividido em dois indicadores: o Índice de Situação Atual (ISA), que subiu 2,8% este mês após recuar 1,5% em março, e o Índice de Expectativas (IE), que mostrou alta de 4,1% em abril após apresentar taxa positiva de 2,1% em março. No caso do ISA, o sub-índice atingiu em abril o maior nível da série histórica, iniciada em setembro de 2005.

Ainda segundo a fundação, o ICC subiu 15,8% em abril na comparação com igual mês em 2009. No mês passado, o indicador nesta comparação avançou de forma menos intensa, com alta de 13,2% ante março de 2009. O levantamento abrange amostra de mais de 2.000 domicílios, em sete capitais, com entrevistas entre os dias 1 e 20 de abril deste ano.

Otimismo

O otimismo com o futuro da economia do País foi o que impulsionou a arrancada do ICC. Segundo comunicado da FGV, entre os cinco quesitos usados para cálculo do indicador em abril, o destaque ficou por conta do tópico mede o grau de otimismo das expectativas em relação à situação econômica local nos seis meses seguintes. A fatia de consumidores pesquisados que preveem melhora da situação econômica subiu de 23,2% para 26,8% de março para abril; já a parcela dos entrevistados que aguardam piora diminuiu de 13,2% para 8,9%.

Ainda segundo a FGV, nas respostas relacionadas ao presente, houve uma avaliação mais favorável no quesito de finanças pessoais, que atingiu o melhor nível desde o início da pesquisa, em setembro de 2005. De março para abril, a fatia dos consumidores entrevistados que avaliam a situação financeira familiar como boa aumentou de 19,3% para 22,3%; já parcela dos pesquisados que avaliam como ruim ficou "relativamente estável", na avaliação da FGV, ao passar de 11,4% para 11,5%.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG