Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fed se reúne, provavelmente para baixar novamente a taxa básica de juros

O Federal Reserve americano (Fed) inicia nesta terça-feira uma reunião de dois dias ao final da qual deverá baixar sua taxa básica de juros, atualmente fixada em 1,5%, para ajudar a economia americana a sair da crise e estabilizar os mercados.

AFP |

O Comitê de Política Monetária (FOMC) do banco central dos EUA se reunirá na sede do Fed em Washington às 14h00 locais (16h00 de Brasília). A reunião deve ser retomada na quarta-feira de manhã e o comunicado final do encontro deverá ser divulgado às 14h15 (16h15 de Brasília).

O Fed baixou sua taxa básica em 0,5 ponto, estabelecendo-a em 1,5%, no dia 7 de outubro como parte de uma ação concertada de seis bancos centrais.

Essa queda decidida fora das reuniões ordinárias do FOMC é a oitava tomada nos Estados Unidos desde o início da crise desencadeada pelo desabamento do mercado dos créditos imobiliários de risco no início de 2007.

Nos últimos dez anos, o Fed sempre confirmou uma queda das taxas decidida de maneira extraordinária mantendo-a em sua reunião ordinária seguinte. O último exemplo remonta a janeiro de 2008: o FOMC havia baixado sua taxa em 0,75 ponto percentual no dia 22 de janeiro, e novamente em 0,50 no dia 30.

A taxa básica do Fed serve de paradigma à taxa sobre o dinheiro que os bancos comerciais se emprestam mutuamente a curto prazo. O banco central intervém diariamente nesse mercado para equilibrar a oferta e a demanda em torno do nível de taxa que fixou.

Desde o dia 10 de outubro, a taxa dos fundos federais variou entre 0,6% e 1,10%, ou seja, bem abaixo da meta oficial de 1,5%.

Tudo leva a crer que o Fed vá baixar novamente suas taxas para sintonizar sua linha política com a prática, ainda mais porque a situação econômica dos Estados Unidos vai de mal a pior.

A decisão do Fed poderá ser influenciada pela primeira estimativa de taxa de crescimento para o terceiro trimestre, que deve ser divulgada na quinta-feira, mas da qual os membros do FOMC deverão tomar conhecimento no momento da reunião. Os analistas estimam, em média, um recuo do PIB de 0,5% em ritmo anual entre julho e setembro.

A questão é, então, saber qual será a amplitude da baixa, mas o mercado está apostando de forma quase unânime em uma queda de 0,5 ponto percentual, que levaria a taxa básica a 1,0%, um nível historicamente baixo.

Ian Shepherdson, economista da High Frequency Economics afirmou que ficará "muito surpreso" se o Fed baixar sua taxa em menos 0,5%.

Para Joseph LaVorgna, a possibilidade de uma queda de 0,25 ponto percentual tendo como pretexto que somente isso permitirá ao Fed "manter alguns cartuchos" não se sustenta, "dada a tática destinada a 'atacar e impressionar' [referência à guerra do Iraque] que o Fed e o Tesouro parecem ter adotado recentemente".

O presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, costuma dizer que a tarefa de banqueiro central às vezes se parece mais com a de psicólogo que a de economista, principalmente porque, como afirmou recentemente um dos membros do FOMC, uma queda da taxa é sentida apenas nove meses depois.

No caso atual, uma queda de 0,5 ponto percentual terá a vantagem de enviar uma mensagem "psicológica" forte que prepara para o futuro já que, como Bernanke deu a entender na semana passada, em nove meses, a economia americana deverá começar a se estabilizar.

Leia tudo sobre: fed

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG