Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fed diz estar pronto para comprar títulos do Tesouro dos EUA

SÃO PAULO - Ao mesmo tempo em que manteve a meta da taxa básica de juros em um intervalo entre 0% e 0,25% ao ano, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) disse estar pronto para comprar títulos de longo prazo do governo dos EUA. Na reunião anterior, de 15 e 16 de dezembro, o Fed disse apenas que estava avaliando essa possibilidade.

Valor Online |

A aquisição desses papéis se dará, segundo o comunicado da autoridade monetária, " se as circunstâncias indicarem que tais transações seriam particularmente eficazes na melhora das condições dos mercados privados de crédito " .

Ao adquirir os títulos, o Fed garantiria que a taxa de juros dos papéis ficasse em um patamar baixo. Isso afetaria os empréstimos privados porque a taxa básica dos Treasuries influencia a formação das demais. Alguns críticos ponderam, contudo, que a estratégia poderia afastar investidores, que partiriam para papéis de outros países seguros, como os do Japão.

De qualquer forma, na reunião de hoje, o presidente do Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, votou a favor da compra dos Treasuries já no momento atual. Os outros oito membros votantes, porém, optaram por declarar que o Fed está preparado para comprar os títulos e que vai monitorar o tamanho e a composição de seu balanço patrimonial para avaliar quais serão as ações mais adequadas para dar apoio aos mercados de crédito e à atividade econômica, sem descuidar da estabilidade de preços.

A autoridade monetária tornou a lembrar que continua comprando grandes quantidades de títulos de dívida de financiadores de hipotecas e ativos atrelados a esses créditos e que está disposto a elevar essas compras, se for necessário. Também mencionou que está implementando a TALF, mecanismo de apoio ao mercado de títulos atrelados a financiamentos de veículos, educação e cartões de crédito e aos tomados por pequenas empresas.

O comunicado que acompanhou a decisão de hoje do Fomc apresentou uma análise pessimista da conjuntura, dizendo que a economia se enfraqueceu ainda mais desde dezembro. " Produção industrial, construção de casas e emprego continuaram a declinar acentuadamente, conforme os consumidores e empresas cortaram gastos " , diz o texto. " Além disso, a demanda global parece estar desacelerando significativamente. " As medidas tomadas pelo governo para fortalecer o sistema financeiro deram algum alívio, mas o acesso ao crédito continua apertado. " O Comitê avalia que a recuperação gradual da economia vai começar no final do ano, mas os riscos negativos a essa perspectiva são significativos. "
O Fed também deixou claro que a inflação em alta não é mais a preocupação, mas sim o contrário. " O Comitê vê algum risco de que a inflação possa persistir, por um tempo, abaixo das taxas que melhor fomentam o crescimento econômico e a estabilidade de preços no longo prazo. "
Veja a seguir a íntegra do comunicado do Fed, em inglês:
"The Federal Open Market Committee decided today to keep its target range for the federal funds rate at 0 to 1/4 percent. The Committee continues to anticipate that economic conditions are likely to warrant exceptionally low levels of the federal funds rate for some time.

Information received since the Committee met in December suggests that the economy has weakened further. Industrial production, housing starts, and employment have continued to decline steeply, as consumers and businesses have cut back spending. Furthermore, global demand appears to be slowing significantly. Conditions in some financial markets have improved, in part reflecting government efforts to provide liquidity and strengthen financial institutions; nevertheless, credit conditions for households and firms remain extremely tight. The Committee anticipates that a gradual recovery in economic activity will begin later this year, but the downside risks to that outlook are significant.

In light of the declines in the prices of energy and other commodities in recent months and the prospects for considerable economic slack, the Committee expects that inflation pressures will remain subdued in coming quarters. Moreover, the Committee sees some risk that inflation could persist for a time below rates that best foster economic growth and price stability in the longer term.

The Federal Reserve will employ all available tools to promote the resumption of sustainable economic growth and to preserve price stability. The focus of the Committee ? s policy is to support the functioning of financial markets and stimulate the economy through open market operations and other measures that are likely to keep the size of the Federal Reserve ? s balance sheet at a high level. The Federal Reserve continues to purchase large quantities of agency debt and mortgage-backed securities to provide support to the mortgage and housing markets, and it stands ready to expand the quantity of such purchases and the duration of the purchase program as conditions warrant. The Committee also is prepared to purchase longer-term Treasury securities if evolving circumstances indicate that such transactions would be particularly effective in improving conditions in private credit markets. The Federal Reserve will be implementing the Term Asset-Backed Securities Loan Facility to facilitate the extension of credit to households and small businesses. The Committee will continue to monitor carefully the size and composition of the Federal Reserve ? s balance sheet in light of evolving financial market developments and to assess whether expansions of or modifications to lending facilities would serve to further support credit markets and economic activity and help to preserve price stability.

Voting for the FOMC monetary policy action were: Ben S. Bernanke, Chairman; William C. Dudley, Vice Chairman; Elizabeth A. Duke; Charles L. Evans; Donald L. Kohn; Dennis P. Lockhart; Kevin M. Warsh; and Janet L. Yellen. Voting against was Jeffrey M. Lacker, who preferred to expand the monetary base at this time by purchasing U.S. Treasury securities rather than through targeted credit programs."
(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG