WASHINGTON - O Federal Reserve, em mais uma forte intervenção no sistema financeiro, anunciou nesta terça-feira que vai injetar mais US$ 800 bilhões na economia americana para amenizar os efeitos da crise financeira no país. Desse total, US$ 600 bilhões devem ser usados para comprar dívidas relacionadas a hipotecas, em uma tentativa de incentivar o aumento da oferta de liquidez no mercado imobiliário.

Dentro do plano de ajuda às empresas, o banco central norte-americano vai comprar até US$ 100 bilhões em dívidas emitidas por Fannie Mae, Freddie Mac e pelo Federal Home Loan Banks.

Também irá comprar até US$ 500 bilhões em ativos hipotecários garantidos por Fannie Mae, Freddie Mac e Ginnie Mae.

O plano tem como objetivo atingir o centro dos problemas econômicos dos Estados Unidos, o problemático mercado imobiliário. "Esta ação está sendo tomada para reduzir o custo e aumento a disponibilidade de crédito para compra de moradias --o que, por sua vez, deve dar sustentação aos mercados imobiliários e contribuir para a melhora das condições financeiras de modo geral", destacou o Fed em comunicado.

O Fed também lançou um instrumento de US$ 200 bilhões para apoiar empréstimos ao consumidor, incluindo estudantes, automóveis e cartão de crédito, além de empréstimos garantidos pelo órgão federal Small Business Administration.

As condições são que esses papéis tenham nota de crédito AAA (a mais alta) e que os créditos nos quais são lastreados sejam "novos ou recentemente originados".

"Um dos maiores problemas que temos é que há falta de demanda por dívida. Vimos o mercado para dívida securitizada como cartões de crédito ou financiamento a estudantes secar completamente... Acho que isso (o programa do Fed) deve ajudar a desbloquear os mercados de crédito", avaliou Scott Brown, economista-chefe da Raymond James & Associates, na Flórida.

Henry Paulson

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Henry Paulson, destacou que o órgão irá prover US$ 20 bilhões em proteção de crédito para o Fed em conexão com a linha de US$ 200 bilhões que a instituição vai disponibilizar para apoiar a volta do crédito ao consumidor. A ação tem como objetivo de ajudar o mercado imobiliário americano e restaurar os empréstimos acessíveis a consumidores e pequenos negócios. 

"Ao prover liquidez a emissores de papéis atrelados a recebíveis de crédito ao consumidor, a linha do Fed permitirá que uma série de instituições acelere seus empréstimos, possibilitando o acesso ao financiamento ao consumidor e a pequenos negócios a um custo menor", declarou Paulson.

Ele também informou que está trabalhando em uma ajuda a proprietários de imóveis que enfrentam processo de execução hipotecária e estabilização do setor imobiliário. "Meus colegas e eu estamos comprometidos em usar todas as ferramentas de que dispomos para preservar a força de nossas instituições financeiras e estabilizar nossos mercados financeiros para minimizar a disseminação para o resto da economia", sustentou o secretário.

Ele avisou também que não existe um cronograma para requerer os US$ 350 bilhões adicionais disponíveis sobre o plano de resgate financeiro aprovado pelo Congresso americano no mês passado.


(Com informações do Valor Online)

Leia também

Para saber mais

Serviço 

Opinião

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.