Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Fed admite ter subestimado impacto da crise imobiliária

O presidente do Federal Reserve (Fed, Banco Central americano), Ben Bernanke, reconheceu ter subestimado o impacto da crise imobiliária sobre o conjunto da economia, em uma entrevista concedida à revista The New Yorker.

AFP |

"Nós nos equivocamos a princípio ao dizer que a crise do 'subprime' (empréstimos hipotecários de alto risco) poderia ser controlada", declarou Bernanke no artigo da New Yorker que já pode ser lido on-line.

"A relação de causa e efeito entre o problema imobiliário e o sistema financeiro em seu conjunto era muito complexa e muito difícil de prever", alegou.

O aumento dos casos de mora sobre os créditos 'subprime' e o afundamento do mercado imobiliário nos Estados Unidos a partir do começo de 2007 se estendeu progressivamente para o sistema financeiro e, depois, para a economia americana em seu conjunto e finalmente para a economia mundial.

"Sabíamos que os bancos criavam" produtos financeiros complexos, mas "não acredito que poderíamos ter-nos dado conta das proporções que isso poderia tomar no balanço dos bancos, quando a confiança nos empréstimos 'subprime', nos quais estes produtos estavam indexados, começou a se deteriorar", afirmou ao New York o vice-presidente do Fed, Donald Kohn.

Na quarta-feira, o Fed não descartou que os Estados Unidos registrem uma contração de seu Produto Interno Bruto (PIB) em 2009.

Em pouco mais de um ano, o comitê de política monetária baixou sua taxa básica de juros para 1%. Na época, alguns alertaram que o movimento havia sido iniciado tarde demais, já que o Fed continuava a considerar prioridade a luta contra a inflação.

Porém, depois do mês de agosto, o Fed multiplicou as iniciativas extraordinárias, instaurando novas facilidades de crédito e participando de planos de resgate das instituições financeiras ameaçadas.

"Ben Bernanke, que parecia ter sido escolhido (para o cargo) tanto por seu lado previsível como por sua competência em economia, está agora envolvido na utilização do Fed mais audaciosa desde a criação da instituição, em 1913", resumiu John Cassidy, o jornalista do New York.

O mercado prevê uma nova redução da taxa básica na próxima reunião monetária, nos dias 15 e 16 de dezembro.

O mandato de quatro anos de Bernanke no comando do Fed expira no final de janeiro de 2010.

maj/cn/yw

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG