Rio de Janeiro, 4 nov (EFE).- As vendas da indústria brasileira cresceram 2% em setembro, em relação ao mês de agosto, apesar da crise internacional, informaram hoje empresários do setor.

Segundo os números da Confederação Nacional da Indústria (CNI), após um movimento de ajuste em agosto, "a indústria de transformação voltou a registrar um intenso crescimento em setembro".

Nesse mês também aumentaram o número de horas trabalhadas (1,2%), e o de empregos (0,7%), segundo a pesquisa mensal de Indicadores Industriais, apresentada pela CNI.

O índice de utilização da capacidade instalada atingiu 83,3%, 0,3% acima do registrado agosto.

O relatório advertiu que o resultado pontual se deve principalmente ao maior número de dias úteis no mês, três a mais que em setembro de 2007 e um a mais que em agosto deste ano.

Já no acumulado entre janeiro e setembro, o faturamento real da indústria aumentou 8% em relação aos nove primeiros meses de 2007.

Entre os 19 setores estudados, os maiores aumentos das vendas em nove meses estiveram nas indústrias de equipamentos de transporte, com crescimento de 32,3% e no setor de veículos automotores, que vendeu mais 23,2%.

O número de horas trabalhadas na produção se expandiu 6,1% nos nove meses em relação ao período comparado e aumentou em 15 setores, com o melhor resultado no segmento de equipamentos de transportes, que avançou 29%.

O emprego na indústria cresceu durante 30 meses consecutivos e entre janeiro e setembro a alta acumulada foi de 4,4%.

Também hoje, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção do setor industrial cresceu 1,7% em setembro comparado com agosto, impulsionada pelo setor de máquinas e equipamentos.

Em setembro de 2007, o crescimento foi de 9,8%, o mais alto em uma comparação anualizada desde abril passado (que cresceu 10% em relação a abril de 2007). EFE ol/ab/plc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.