Tamanho do texto

BRASÍLIA - O Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) registrou fluxo positivo de R$ 13,589 bilhões em 2008, com alta de 28,1% sobre o resultado de R$ 10,7 bilhões do ano anterior. Isso porque as receitas cresceram 20,4%, no total de R$ 35 bilhões, enquanto os gastos com benefícios sociais (como o seguro-desemprego) atingiram R$ 21,4 bilhões, com variação positiva de 15,9% na mesma comparação.

Segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério do Trabalho, somente com o seguro-desemprego foram consumidos R$ 14,718 bilhões, com incremento de 15,6% sobre o montante de R$ 12,733 bilhões gastos em 2007.

O patrimônio do FAT cresceu 11% para R$ 154,45 bilhões, ante R$ 139,08 bilhões no período anterior. Os recursos do FAT são provenientes de 80% da arrecadação com PIS/Pasep (R$ 25,04 bilhões), contribuição sindical (R$ 205,7 milhões), remuneração de aplicações (R$ 9,39 bilhões) e outras receitas (R$ 355 milhões).


A maior parte do dinheiro está depositada no BNDES, sendo R$ 10,13 bilhões referentes a 40% da arrecadação com o PIS/Pasep e um estoque de R$ 91,3 bilhões que o banco aplica em empréstimos. Outros R$ 17,45 bilhões estavam aplicados no fundo extramercado (gerido pelo Banco do Brasil), parcela essa que registrou alta de 75% sobre saldo anterior.