Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

FAO: aumento de 6 milhões no número de latino-americanos subnutridos

Na América Latina e no Caribe 51 milhões de pessoas sofrem com a fome, um aumento de seis milhões no último ano devido à crise alimentar, disse o coordenador da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) para a América Central, Deodoro Roca, na véspera do Dia Mundial da Alimentação.

AFP |

"A crise nos fez regredir seriamente", disse Roca à AFP ao indicar que o número de pessoas que sofrem com a fome na região aumentou de 45 para 51 milhões. "Com isso, perdemos quase tudo o ganhamos desde 1990, quando o total chegava a 53 milhões".

Para a FAO os níveis de inflação dos alimentos e o aumento nos preços do petróleo, dos fertilizantes e dos agro-químicos permitem previsões que indicam que os preços não voltarão aos níveis anteriores aos da crise, ficando 30 ou 40% acima.

No entanto, a FAO considera que o aumento rápido dos preços atacadistas de produtos básicos "parece ter passado", devido em parte a uma produção maior e em parte à retirada de capitais especulativos dos mercados internacionais de produtos básicos.

Segundo a FAO, no último ano a produção de cereais na América Latina subiu 7%.

"Não faltam alimentos, o problema é que custam muito caro e, por isso, são menos acessíveis, em especial para os setores de menores investimentos onde a cesta básica tem um maior peso específico no orçamento familiar", disse Roca.

Assegurou que na maioria dos países latino-americanos o aumento da cesta básica familiar foi de dois dígitos, em índices superiores à inflação geral.

Como soluções para enfrentar o problema da fome e a desnutrição, "é preciso retomar a produção de alimentos básicos, negligenciada na última década", disse Roca, já que "sem uma capacidade produtiva local se está à mercê de vaivens internacionais sobre os quais os países não têm controle".

jr/dm

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG