Porto Alegre, 11 - Apesar da ajuda do câmbio, a receita com as exportações gaúchas encolheu 39% em dólares em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2008, para US$ 705 milhões. A queda foi resultado de menor demanda nos principais mercados compradores.

As vendas do Rio Grande do Sul caíram 22% para os Estados Unidos, 58% para a Argentina, 27% para a Itália, 15% para a Rússia e 7% para a Alemanha, na mesma comparação, informou hoje a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

A valorização recente do dólar em relação ao real esteve a favor dos exportadores, mas não foi suficiente para melhorar a demanda. O câmbio médio de venda foi de R$ 1,77 em janeiro de 2008, ante R$ 2,30 no mesmo período de 2009. O impacto da queda nas exportações é mais sentido no Rio Grande do Sul por causa de sua expressiva participação no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, lembrou o presidente da Fiergs, Paulo Tigre. "No caso gaúcho, as exportações servem como um termômetro para a atividade econômica", disse o dirigente. Em janeiro, o Rio Grande do Sul foi o quarto maior exportador, atrás de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Todos os setores da indústria mostraram retração em janeiro. As maiores quedas foram em refino de petróleo, com 99% a menos (mas que não tem participação relevante nas exportações), metalúrgica básica (onde estão aços longos, por exemplo), com 74% a menos, e indústria extrativa mineral (-59%). Alimentos e bebidas, que representaram 33% do total da indústria em janeiro, tiveram queda de 23%. Na área agrícola, as exportações gaúchas do complexo soja caíram 54% e de carnes, 9%, em janeiro.

Em janeiro de 2008, o Rio Grande do Sul havia exportado um total de US$ 1,155 bilhão, quando o câmbio era desfavorável. No mesmo mês de 2007, as vendas externas somaram US$ 860 milhões. Em reais, as exportações de janeiro de 2009 recuaram 25%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.