Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Executivo da EADS é preso em investigação sobre uso de informação privilegiada

SÃO PAULO - O diretor da unidade de Dresden (Alemanha) da European Aeronautics Defence and Space (EADS), Andreas Sperl, foi preso hoje pela polícia francesa, acusado de uso indevido de informações privilegiadas. Sperl, antes de assumir a direção da fábrica, trabalhou como executivo-chefe de finanças do grupo europeu.

Valor Online |

O executivo é a quarta pessoa a ser detida por conta da investigação sobre informações privilegiadas das autoridades francesas. Ele, porém, é o único que ainda trabalha na EADS. Além de Sperl, foram detidos também o ex-co-executivo-chefe Noel Forgeard, o ex-vice-executivo-chefe Jean-Paul Gut e o ex-presidente da Airbus (subsidiária da EADS) Gustav Humbert.

Atualmente, há duas investigações em andamento na França avaliando as operações ilícitas de funcionários e ex-trabalhadores da EADS no mercado financeiro, realizadas com base em informações privilegiadas. Uma delas é mantida pela procuradoria de Paris e outra pela Autorité des Marchés Financiers (AMF, a Comissão de Valores Mobiliários da França).

Ambas analisam as vendas de ações da companhia pelos suspeitos realizadas antes de junho de 2006, quando a Airbus anunciou atrasos na produção do superjumbo A380, o que fez despencar as ações da EADS.

Segundo a AMF, Sperl vendeu 58,8 mil ações da companhia entre novembro de 2005 e março de 2006, obtendo um ganho bruto de US$ 1,2 milhão.

No total, a AMF investiga as operações de 17 pessoas. Além de Sperl e dos outros presos, também estão sob suspeita atual presidente e executivo-chefe da Airbus, Thomas Enders, e o atual executivo-chefe da divisão de Defesa e Segurança da EADS.

A EADS confirmou, por meio de seu porta-voz Markus Woelfle, a prisão de Sperl. Ele é inocente até que se prove o contrário, afirmou. Em comunicado do próprio Sperl, lido pelo porta-voz, ele afirma estar convicto de ter agido totalmente de acordo com a lei vigente e com regras internacionais, em suas operações.

(José Sergio Osse | Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG