Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ex-diretor do Fortis teve indenização de 4 milhões de euros sem deixar grupo

Bruxelas, 22 out (EFE).- O ex-diretor financeiro do Fortis Gilbert Mittler obteve uma indenização de mais de 4 milhões de euros ao sair do cargo, em agosto passado, apesar de ter continuado trabalhando para a entidade, que já estava em meio à crise que terminou com a tomada de controle público e posterior divisão do grupo.

EFE |

Segundo o jornal belga "De Standaard", Mittler mudou de cargo - passou a ser assessor do executivo-chefe - em 1º de agosto, um mês depois do lançamento da ampliação de capital de 1,5 bilhão de euros que custou o cargo do executivo-chefe, Jean-Paul Votron.

O Fortis não informou então que, embora Mittler continuasse trabalhando para o grupo, recebeu uma indenização de demissão três vezes mais elevada que a de Votron, que levou 1,35 milhão de euros.

A entidade confirmou hoje que Mittler recebeu uma compensação ao mudar de cargo, mas não precisou a quantia.

O primeiro-ministro belga, Yves Leterme, declarou à rádio pública flamenga que esta indenização "não é aceitável", e considerou que é uma demonstração de "pouco respeito aos clientes e ao pessoal" da entidade.

"Mittler deveria devolver a indenização de demissão", concluiu Leterme.

As indenizações aos diretores que receberam ajudas públicas para superar a crise atual está causando polêmica em toda a Europa, com especial intensidade na Bélgica, depois que o Estado teve que intervir no Fortis, a entidade mais importante do país, e também no banco franco-belga Dexia. EFE vl/an

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG