Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Ex-diretor acusa Lloyds de não pagar impostos para inflar lucros

Londres, 19 mar (EFE).- Um ex-diretor do banco britânico Lloyds acusou a companhia de inflar artificialmente seus lucros em quase um bilhão de libras esterlinas por meio uma estratégia de evasão fiscal e negócios em paraísos fiscais ao estilo do banco Lehman Brothers.

EFE |

Andrew Constantine, que comandou a divisão de impostos do Lloyds, contou em juízo que o banco teve problemas com a Receita do Reino Unido por apresentar contas manipuladas que lhe permitiram não pagar impostos milionários, informa hoje o jornal britânico "The Guardian".

Segundo o ex-diretor, entre 2005 e 2007, o banco pressionou o pessoal do setor financeiro para que criassem formas de reduzir as faturas fiscais, algumas delas relacionadas com o Lehman Brothers e a desacreditada divisão financeira da seguradora americana AIG, que teve que ser salva com dinheiro do Governo americano.

Até 2007, o Lloyds já tinha evitado o pagamento de 900 milhões de libras em conceito de impostos, o que permitiu engordar seus lucros na mesma proporção.

O banco negou todas as acusações ao apontaram que já houve uma investigação sobre o assunto e não foram encontradas provas de irregularidades.

No entanto, Constantine afirma que a companhia não quis ouvir as vozes críticas que surgiram então de dentro da empresa apontando preocupação com as táticas adotadas pelo departamento financeiro.

O antigo diretor foi demitido em setembro no que, para ele, foi uma tentativa de silenciar possíveis denúncias dentro da própria empresa.

O Lloyds anunciou hoje que deve fechar 2010 no azul depois de perder 6,3 bilhões de libras em 2009.

Segundo o banco, seus resultados nas primeiras dez semanas de 2010 foram "fortes" e melhores do que o esperado em um primeiro momento, e por isso confia em manter essa tendência até o final do ano. EFE sga/bba

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG