Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Europa fecha em baixa com cenário negativo dos bancos

As principais bolsas européias fecharam em baixa acentuada pressionadas pelos renovados temores com relação ao setor financeiro e notícias de que as agências hipotecárias dos EUA Fannie Mae e Freddie Mac podem ter de captar, juntas, até US$ 75 bilhões, para se adequar às novas normas contábeis, de acordo com o banco Lehman Brothers. As ações do setor financeiro, em particular dos bancos, lideraram as perdas nos mercados europeus.

Agência Estado |

Contudo, os principais índices reduziram parte das perdas acentuadas depois que o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, disse que os instrumentos de empréstimos de emergência podem ser prorrogados para além de 2008, se necessário.

Em Londres, o índice FT-100 caiu 72,2 pontos (-1,31%) e fechou com 5.440,5 pontos; em Paris, o índice CAC-40 recuou 66,98 pontos (-1,54%) e fechou com 4.275,61 pontos; em Frankfurt, o índice Xetra-Dax caiu 91,34 pontos (-1,43%) e fechou com 6.304,41 pontos.

O quadro de hoje mostrou um cenário pessimista para as empresas européias. As ações da Deutsche Boerse (operadora da bolsa alemã) lideraram as perdas em meio a pressão geral no setor, com queda de 7,7%. Operadores acrescentaram que a companhia enfrenta pressão adicional depois que sua subsidiária Clearstream registrou que queda de 25% nas liquidações de transações internacionais em comparação com 2007.

O Banco da Irlanda alertou em comunicado para acionistas de que o lento crescimento econômico está corroendo sua rentabilidade, atingido pelo declínio em seu principal mercado, a Irlanda, assim como nas operações no Reino Unido e nos EUA. Outros bancos também caíram em toda a Europa: Royal Bank of Scotland -3,03%, HBOS -1,69%, Crédit Agricole -2,65%, Société Générale -2,01%, Deutsche Bank -2,58% e Fortis -2,34%.

Entre outras notícias, as ações do UBS caíram 0,10%. O banco suíço divulgou seus planos para expandir significativamente suas operações no Oriente Médio. Isto ocorre no momento que o banco diminui o tamanho de seu banco de investimentos em Nova York e Londres. O UBS recebeu permissão para se estabelecer na Arábia Saudita no final do ano, ao mesmo tempo que solicitou uma licença de operação no Catar.

Em outros setores, a companhia alemã de eletrônicos e engenharia Siemens AG anunciou que está cortando 16.750 empregos em todo mundo como parte de seu plano de redução de custos. A empresa também planeja vender sua subsidiária Segment Industrie Montagne Services. As ações da Siemens caíram 1,61%.

Veículos

As ações das montadoras européias também caíram apesar do declínio dos preços do petróleo. As ações da Peugeot caíram 1,41% depois da companhia ter anunciado uma acentuada desaceleração na Europa Ocidental e expectativa de queda nas vendas em 2008. Já a Fiat informou o fechamento durante uma semana por mês, entre os meses de setembro e novembro, de quatro de suas cinco fábricas na Itália. As ações da TomTom - companhia atrelada ao setor de automóveis - despencaram 11,46%. As ações da Renault caíram 1,99%, as da Volkswagen recuaram 1,62% e as da Fiat fecharam em baixa de 4,49%.

Em Milão, o índice S&P/MIB caiu 586 pontos (-2,03%) e fechou com 28.306 pontos; em Madri, o índice Ibex-35 recuou 187,50 pontos (-1,56%) e fechou com 11.794,70 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 7,71 pontos (-0,09%) e fechou com 8.689,33 pontos. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG