Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Europa fecha em alta à espera de corte de juro

LONDRES - As principais bolsas européias encerraram esta quarta-feira em alta, impulsionadas pela expectativa de corte de juros pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Banco da Inglaterra (BoE, o banco central inglês) amanhã. A previsão de afrouxamento nos juros foi reforçada pela divulgação da queda mais acentuada em 10 anos na atividade do setor de serviços nos 15 países europeus da zona do euro no mês passado.

Agência Estado |

De acordo com Rainer Guntermann, economista da Dresdner Kleinwort, "os dados divulgados recentemente mostram que há espaço para uma queda de 0,75 ponto porcentual" no juro, por parte do BCE. Atualmente, o juro básico na zona do euro está em 3,25% ao ano e, no Reino Unido, a taxa de juros é de 3% ao ano.

Os mercados em Lisboa e em Londres registraram os maiores ganhos do dia, com altas de 1,19% e 1,14%, respectivamente. A Bolsa de Frankfurt subiu 0,78% e a de Paris, 0,44%. Na Espanha, a Bolsa de Madri ganhou 0,51% e, na Itália, a Bolsa de Milão teve leve alta de 0,03%.

Ações

As ações defensivas, como as do setor de saúde, ditaram o ritmo de alta da sessão. Em Londres, a AstraZeneca avançou 5,37%, enquanto a GlaxoSmithKline subiu 4,42%.

No setor de tecnologia, a Infineon Technologies caiu 39,58% em Frankfurt após anunciar que teve prejuízo líquido de 763 milhões de euros no terceiro trimestre deste ano, em comparação a prejuízo líquido de 280 milhões de euros no mesmo período de 2007, devido em parte a custos de reestruturação.

A estatal francesa Electricité de France recuou 0,5% após lançar uma proposta de US$ 4,5 bilhões por 50% dos ativos nucleares da Constellation Energy, três semanas antes de os acionistas da Constellation votarem uma oferta de US$ 4,7 bilhões por toda a companhia apresentada pela MidAmerican Energy, uma unidade da Berkshire Hathaway, controlada por Warren Buffett.

A Telecom Italia revelou um plano de negócios para a contenção de despesas por meio de um corte de 4 mil empregos e da venda de até 3 bilhões de euros em ativos que fogem do foco estratégico da companhia. As ações da empresa recuaram 1,63% em Milão. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: bolsas na europa

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG