Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Europa cai com embolso de lucros e mineradoras

As bolsas européias aproveitam a manhã desta terça-feira para embolsar parte dos lucros obtidos ontem, quando os mercados fecharam com valorizações expressivas em reação à ajuda do governo dos EUA ao Citigroup. Hoje, as mineradoras assumem o foco das atenções e registram forte queda, especialmente após a BHP Billiton retirar sua oferta de compra pela rival Rio Tinto.

Agência Estado |

 

O declínio dos preços dos metais por causa da preocupação com uma redução da demanda em meio à desaceleração mundial também contribui para o desempenho ruim do setor. O mesmo temor de demanda faz o petróleo cair mais de 3%. Outro destaque de queda é a seguradora francesa Axa, que perde mais de 10% após ter reduzido sua projeção de lucro para o ano.

A BHP Billiton anunciou que não vai continuar com sua oferta hostil pela Rio Tinto, pois não acredita mais que a compra da rival seria do melhor interesse dos acionistas da BHP. O diretor-executivo da companhia, Marius Kloppers, afirmou que os recentes acontecimentos globais e as conseqüentes quedas nos preços das commodities alteraram as "dimensões de risco" da operação.

Às 8h19 (de Brasília), os papéis da BHP Billiton subiam 13,78%, enquanto Rio Tinto despencava 39,3%. Na esteira, Kazakhmys caía 10%, Antofagasta recuava 7,0% e Xstrata cedia 5,8%.

No mesmo horário, a Bolsa de Londres recuava 0,09%, a Bolsa de Paris perdia 0,40% e a Bolsa de Frankfurt tinha queda de 1,34%. Ontem, o índice FTSE 100 de Londres teve sua maior alta porcentual em um dia em 21 anos, ao subir 9,84%.

Os papéis da seguradora francesa Axa caíam 11%, depois que o grupo reduziu sua projeção de lucro para 2008, citando a crise financeira, que pressionou as remunerações dos ativos e elevou os custos.

O petróleo leve negociado no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex, na sigla em inglês) caía 3,67%, para US$ 52,50 por barril. As ações da Sacyr Vallehermoso desvalorizavam 9,42%, em meio a dúvidas de que a empresa poderá não vender sua participação de 20% na Repsol YPF para a Lukoil. As informações são da Dow Jones.

Leia também

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG