Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

EUA vão aderir a grupo de livre-comércio na Ásia e no Pacífico

Nova York, 22 set (EFE) - Chile, Cingapura, Nova Zelândia e Brunei anunciaram hoje em Nova York o início oficial das negociações para que os Estados Unidos se unam ao Acordo Estratégico Transpacífico de Associação Econômica assinado pelos quatro países e conhecido como P4.

EFE |

"Perante o fracasso até agora da Rodada de Doha para liberalizar o comércio mundial e o pouco avanço da Apec (Fórum de Cooperação Econômica do Ásia-Pacífico) para criar uma grande área de livre-comércio transpacífico, convidamos outros países a se unirem à nossa iniciativa", disse o chanceler do Chile, Alejandro Foxley.

O P4 foi assinado na Nova Zelândia em julho de 2005 e estabelece medidas de livre-comércio nas áreas de bens e serviços entre seus membros, assim como sobre direitos de propriedade intelectual e cooperação em ciência e tecnologia.

Após realizar negociações com diferentes membros potenciais que duraram cerca de um ano, o único país que até o momento decidiu aderir é "nada menos que os Estados Unidos, a maior economia do mundo", explicou o ministro chileno.

"Estamos muito satisfeitos, porque a presença dos EUA no grupo que agora vai se chamar P5 será um fator catalítico para que outros países da Ásia e da América Latina se somem a este esforço em direção a uma grande integração econômica em todo o Ásia-Pacífico", explicou Foxley.

Nesse sentido, afirmou que "já conversou com o Peru e a Colômbia, que têm muito interesse em participar, e meu colega de Cingapura falou com o Vietnã, e o da Nova Zelândia com a Austrália".

"Estamos demonstrando que quando o protecionismo se transforma em um instrumento político, é possível exercer uma liderança para preencher o vazio e avançar", acrescentou.

"Frente à paralisia de Doha e ao protecionismo que hoje dia impera em muitos países desenvolvidos, os pequenos países decidiram exercer, na medida do possível, uma liderança que mostre o caminho para o futuro, para a plena integração à economia global", disse o chanceler chileno. EFE mgl/db

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG