Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

EUA registram maior alta do desemprego em 34 anos

Jorge Bañales. Washington, 6 fev (EFE).- A economia dos Estados Unidos perdeu 598 mil postos de trabalho em janeiro, o índice mais alto desde dezembro de 1974, e que correspondeu a uma alta do desemprego de 7,6%, a maior desde 1992, informou hoje o Governo.

EFE |

Nos últimos três meses, a maior economia do mundo perdeu 1,8 milhão de postos de trabalho.

Os novos números do mercado de trabalho americano apontam a uma urgência ainda maior da aprovação de um programa de estímulo econômico nos EUA.

A perda de vagas no mercado americano afetou quase todos os setores da atividade econômica, dos meios de comunicação à construção, da manufatura ao comércio no varejo, o transporte e os serviços financeiros.

A maioria dos analistas tinha calculado uma perda entre 500 mil e 700 mil postos de trabalho, e que o índice de desemprego subiria 7,5%.

Em novembro, foram perdidos 597 postos de trabalho, e em dezembro houve uma queda líquida de 577 mil empregos.

Desde o início da recessão nos Estados Unidos, em dezembro de 2007, o país perdeu cerca de 3,6 milhões de postos de trabalho, e a metade deles desapareceu nos três meses seguintes à falência - em setembro - do banco Lehman Brothers.

"O relatório sobre o desemprego é a prova mais recente de que experimentamos uma grande contração econômica", disse Christina Romer, chefe do Conselho de Assessores Econômicos de Obama.

"A perda de postos de trabalho durante 13 meses é a maior desde que este registro é feito, em 1939", apontou.

O professor de economia James Galbraith, da Universidade do Texas, disse que os Estados Unidos "se encontram no meio de um colapso muito grave e violento da atividade econômica, um quadro que pode durar meses".

"O relatório de hoje provavelmente diminuirá as críticas ao plano impulsionado por Obama de que o projeto é 'grandioso' demais", acrescentou.

O presidente americano pediu ao Congresso que aprove um programa de estímulo econômico.

A Câmara de Representantes aprovou um plano de US$ 819 bilhões, e o Senado discute um que se aproxima dos US$ 920 bilhões.

Hoje mesmo Obama insistiu em que "é injustificável e irresponsável se agarrar a distrações e atrasos enquanto milhões de americanos perdem seus trabalhos".

As despesas familiares caíram a um ritmo anual de mais de 3% durante os últimos dois trimestres, e esta é a primeira vez que isto ocorre pelo menos desde 1947.

No setor da construção, que perdeu 86 mil empregos em dezembro, houve em janeiro outros 111 mil postos de trabalho cancelados.

No setor de serviços, que inclui bancos, restaurantes, comércio no varejo e serviços financeiros, a perda em janeiro foi de 279 mil portos de trabalhos, depois dos 327 mil de dezembro.

O emprego governamental ganhou seis mil postos de trabalho, depois de uma perda de 10 mil no mês anterior.

No entanto, o emprego governamental também se vê ameaçado de recessão: o Serviço Postal anunciou que reduzirá sua força de trabalho mediante aposentadorias antecipadas e a não substituição dos funcionários que se demitam.

Em janeiro, a semana de trabalho média se manteve em 33,3 horas e as remunerações por hora dos trabalhadores subiram US$ 0,05 (0,3%).

As remunerações horárias de janeiro foram 3,9% mais altas em comparação com as do mesmo mês de 2008. EFE jab/mh

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG